Osvaldo Maggi e Inês Fouto são os autores deste livro que tem o obejctivo de angariar fundos para ajudar o artista

Foi apresentado nas Caldas, a 23 de Julho, no espaço do projecto Cenas Teatro e Companhia, o livro “Histórias com Chapéus”, que une texto da actriz Inês Fouto às ilustrações de Osvaldo Maggi, que é também palhaço e formador nas áreas da pantomina. O artista argentino que, nos anos 1990, dava formação artística nas Caldas da Rainha, através do Atelier Arte e Expressão, está doente e precisa da ajuda da comunidade. Este livro e muitas das suas ilustrações podem ser adquiridas através da internet, pois têm um cariz solidário.

Osvaldo Maggi era presença habitual no Atelier Arte e Expressão nas Caldas da Rainha, nos anos 1990. O argentino é palhaço e professor de várias áreas da pantomima, além de ser construtor de marionetas e de máscaras e de ter tido um papel relevante na formação artística de vários grupos teatrais em várias localidades de Portugal.
O artista regressou às Caldas em Maio de 2019 e tem trabalhado com Inês Fouto, a actriz e encenadora do projecto Cenas Teatro e Companhia, cujo espaço de ensaio e criação fica na Rua das Montras.
O argentino, que ao longo da sua estadia nas Caldas tem colaborado na criação de espectáculos, oficinas de construção de fantoches, também chegou a participar em vários intercâmbios internacionais que contavam com a coordenação do Atelier Arte e Expressão.
Enquanto artista itinerante, Osvaldo Maggi sempre esteve um pouco à margem da sociedade mas agora, com 77 anos, tem um problema oncológico e necessita de auxílio.
Para já, tem contado com um grupo de amigos que se têm ocupado de o auxiliar com alimentação, acolhimento e apoio. E é este grupo que está a fazer um pedido solidário para que a comunidade possa ajudar. E há várias formas de o fazer. Um dos projectos que Maggi desenvolveu nas Caldas incluiu um espectáculo, uma exposição e, mais recentemente, a edição do livro “Histórias com Chapéus”.
A obra foi possível de concretizar recorrendo ao crowdfunding e a impressão foi feita na Gracal, uma gráfica caldense, segundo explicou Inês Fouto à Gazeta das Caldas.
Osvaldo Maggi faz também muitas aguarelas e que estão à venda no seu site (osvaldomaggi.webnode.pt), onde é possível ajudar este artista.
O argentino é conhecido por conseguir realizar workshops com poucos recursos. Dá também novos usos a caixotes que encontra na rua e é famoso por dar uma segunda vida a objectos que adquire na Feira das Velharias.
Uma das exposições que realizou no espaço Cenas, “Clave de Sol” foi possível conhecer melhor o seu trabalho de ilustração e o seu sol risonho, presença constante nos seus trabalhos.
Esta mostra teve a coordenação da artista plástica caldense, Paula Nobre. Alguns dos trabalhos que fizeram parte desta exposição podem agora ser adquiridos no site do autor.

Docente em Évora

O artista – que chegou a ser professor de Pantomima em Évora – teve na sua terra natal, a Argentina, uma carreira com o seu irmão. O duo de palhaços era muito conhecido e ainda hoje há memórias das suas actuações, contaram Inês Fouto e Ana Félix, duas das pessoas que auxiliam este artista.
“Histórias com Chapéus” começou por ser um espectáculo de rua que Maggi criou com Inês Fouto, que recorria a meia dúzia de chapéus de diferentes feitios e modelos para actuar. Depois, culminou num livro que permite criar jogos, cenas, histórias e personagens. O espectáculo foi estreado em Julho passado e fez parte do Caldas Anima.
A obra é também “um livro impulso da imaginação, que nos põe a brincar ao teatro”, disse a actriz durante a apresentação desta obra cuja venda reverte para auxiliar Maggi.
A actriz e encenadora Inês Fouto tem contactado amigos de Osvaldo Maggi, que manifestaram interesse em ajudar e, por isso, “Histórias com Chapéus” tem sido adquirido não só por portugueses das mais variadas localidades mas também por pessoas oriundas de Espanha e da Argentina.
Nesta obra solidária há um texto onde se afirma que “numa rua qualquer, numa praça qualquer, nas aldeias, nas cidades, alguém anda pelo mundo a semear chapéus! Alguém anda pelo mundo a semear sonhos, ilusões, fantasias”. Talvez conheçamos alguém assim.