As importações no Oeste continuam a descer e, comparando com o mês de Maio do último ano, foram importados menos 45 milhões de euros de bens. Ainda assim, já há concelhos a importar mais do que em Abril deste ano (penúltimo mês com dados disponíveis)

No mês de Maio deste ano, importaram-se no Oeste menos 45 milhões de euros de bens do que em relação ao mesmo mês do ano anterior. Esta é a principal conclusão dos mais recentes dados disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE) relativamente à balança comercial nacional e da região.
Trata-se de uma descida a rondar os 28%. Em Maio deste ano o conjunto dos concelhos do Oeste importou um total de 116,5 milhões de euros, quando há um ano esse valor se tinha fixado nos 162 milhões de euros.
No comércio dentro da União Europeia a quebra ronda os 31 milhões de euros (o equivalente a 26% dos quase 119 milhões de euros de há um ano). Já no comércio para fora da União Europeia a quebra foi, em termos percentuais, mais acentuada, tendo-se fixado em mais de um terço. É que o Oeste importou menos cerca de 14,5 milhões de euros do que os 43 milhões de euros registados em Maio de 2019.
Quando a comparação é feita com o mês anterior (Abril), é possível perceber que a tendência continua a ser de importar menos. Em termos de valor, as importações caíram mais de 3,5 milhões de euros num mês, o que corresponde a uma descida a rondar os 3%.
Numa análise à proveniência das importações, e quando comparado com o mês de Abril, regista-se menos um milhão de euros importados de dentro da União Europeia e o restante (superior a 2,5 milhões de euros) de fora do mercado comunitário.
No caso do concelho das Caldas, que é dos sete analisados o segundo que mais importa (a seguir a Alcobaça, que é também o maior exportador), a quebra situou-se na casa dos 33% face ao último ano.
Em vez de cerca de 8,5 milhões de euros, o concelho das Caldas importou 5,7 milhões, numa descida de 2,8 milhões de euros.
Curiosamente, relativamente a Abril, o concelho das Caldas até aumentou ligeiramente as importações.
Também nos concelhos de Alcobaça, Bombarral, Óbidos e Peniche houve um aumento das importações em Maio em relação aos valores que se haviam registados em Abril. No entanto, em nenhum deles se regista um aumento quando a comparação é feita com período homólogo do último ano.

EXPORTAÇÃO SUBIU NO MÊS DE MAIO

Relativamente às exportações, conforme noticiámos na última edição, o conjunto dos concelhos do Oeste exportou mais 7,7 milhões de euros em Maio do que havia feito em Abril. Tratou-se de um aumento a rondar os 10% e que permitiu atingir um total exportado de cerca de 84 milhões de euros.
Ainda assim, esee valor ficou muito abaixo dos 102,5 milhões de euros que se registavam em Maio de 2019.