“Woman Enough” mostra mulheres despidas de preconceitos nos Silos

0
344
A fotógrafa Cacau Froger (à esq.) com o grupo de amigas retratadas. Projeto acabou por dar origem a um livro digital

Autoras inauguraram a 8 de março, uma mostra de fotografias de mulheres, que deixam os preconceitos de lado e que deram origem a um foto-livro

“Woman Enough” intitulou a mostra que abriu portas na passada terça-feira, no Dia Internacional da Mulher, na Galeria Farinha, nos Silos. Um grupo de quatro amigas foram fotografadas por Cacau Froger, que é também a coordenadora do projeto Liberta, nas Caldas da Rainha.
O grupo foi fotografado na cascata de Anços, perto de Mafra tendo a natureza como pano de fundo e a amizade “como fotogenia”.
Uma das retratadas, Catarina Freitas, estava grávida e agora, para a inauguração da mostra já trouxe o filho bebé ao colo, num momento muito especial.
No dia em que Cacau Froger fotografou este grupo de quatro amigas “fizemos o que fazemos sempre: comemos, rimos, dançamos…”, contou Catarina Freitas, uma das participantes.
“Naturalmente, começámos a despirmo-nos e a divertirmo-nos à brava naquele momento de liberdade”. segundo a fotógrafa, mesmo perante a presença de outras pessoas que também foram visitar a cascata, o grupo de mulheres “não deixou de ser comportar de uma maneira tão livre e sem medo”.
As imagens que resultaram desse dia causaram um impacto muito positivo em quem as viu.
Livres de preconceitos e sem problemas em assumir as partes do corpo que menos gostam, acabaram por concordar em fazer uma exposição e, mais tarde, um livro digital que guarde estas imagens especiais, “de grande liberdade onde não há espaço para medos e onde os preconceitos também não têm lugar”. As participantes neste projeto estão a pensar inclusivamente na hipótese de tornar o livro também físico.
A fotógrafa Cacau Froger não tem por hábito eliminar qualquer imperfeição das suas retratadas. As rugas são assumidas e não dão dados retoques nas imagens reais, tal como se poderá constatar nesta exposição. Tudo para tornar o trabalho mais cru.
As fotografias acabaram por dar e resultar “num desejo”, ou seja, uma fotografia que serve “para registar uma gratidão”. “É preciso amar e respeitar tudo o que nós somos”, explica a artista brasileira, que considera que esta exposição acaba por ter o cariz especial de permitir a junção de um grupo de amigos e da arte.
Além disso, esta exposição de fotografia foi enriquecida com as peças de outras artistas que vivem e trabalham na região. Desta mostra, que também serviu para assinalar o Dia Internacional da Mulher, fizeram parte peças em cerâmica de Paula Violante, de Patrícia Ribeiro e de Chila Cunha, e ainda ilustrações de Ana Sílvia Agostinho.
A mostra “Woman Enough” poderá ser vista na Galeria Farinha, nos Silos, até ao próximo sábado, dia 12 de março. E promete não deixar ninguém indiferente, perante a força das imagens.
A autora, que organizou várias exposições de autoras no Espaço Liberta na Cova da Onça, não tem a menor dúvida que são necessárias mais mulheres no poder e também “a criar leis que permitam viver no mundo melhor”. Para esta profissional da área da fotografia, no que diz respeito ao conflito entre a Ucrânia e a Rússia, “este não estaria a acontecer se estivessem mulheres nos cargos de chefia”.