Festival Impulso está de regresso em março

0
349
Os Criatura, que integram o percussionista caldense Iúri Oliveira, dedicam-se aos ritmos da música tradicional

Legendary Tigerman, Bia Ferreira, Criatura e André Henriques são alguns dos artistas que vão atuar nas Caldas

O Festival Impulso está nomeado entre os finalistas dos Iberian Festival Awards nas categorias de Best Alive Performance com o concerto de Dino d’Santiago e também na categoria de Contribution to Equality. “Estamos orgulhosos de ter chegado aos finalistas”, disse Nuno Monteiro, o diretor do festival caldense, acrescentando que a entrega dos prémios que distinguem os melhores festivais da Península decorrerá  a 15 de março, em Granada (Espanha).
Entretanto, vai começar a nova Season deste ano do Impulso com o primeiro concerto a 22 de março no CCC de The Legendary Tigerman. Paulo Furtado está de regresso às Caldas após vários anos sem atuar na cidade termal. O cantor de blues atuará no CCC para dar a conhecer o seu novo disco, que saiu no ano transacto.
Na primeira parte desta Season Impulso estão previstas sete atuações que decorrerão entre março e julho e depois, entre setembro e dezembro, seguem-se mais cinco atuações.
Na primeira parte vão atuar nas Caldas, 18 artistas e 12 no final do ano. “Na edição de 2023 tivemos 25 convidados enquanto que este ano já são 30”, disse o diretor.
A 5 de abril está prevista a atuação de Bia Ferreira, cantora, ativista  e multi-instrumentista brasileira que acabou agora de realizar uma tournée norte-americana. A 18 de abril será a vez de André Henriques,  vocalista dos Linda Martini e que virá apresentar o seu projeto a solo.
O cantautor Filipe Sambado vai atuar a 10 de maio  enquanto que, a 8 de junho, atuam os Criatura com o percussionista caldense ,Iúri de Oliveira. Serão 12 pessoas em palco numa atuação onde se unem música tradicional e performance. Segue-se no final desse mês Hatis Noit, uma cantora do Japão que junta ópera, canto lírico e eletrónica. No mês seguinte atuarão os Conferência Inferno, que são do Porto e Blanco Teta, uma banda argentina que se dedica ao punk e ao rock.
“Teremos vários artistas experimentais e emergentes e algumas apostas de risco como é nosso hábito desde a primeira edição”, afirmou Nuno Monteiro. Estão também previstas atuações de grupos, constituídos por antigos alunos da ESAD.CR.
Haverá um ciclo de cinema  com conversas com os realizadores e debates sobre os filme.
Também estão de regresso as residências artísticas, uma na primeira parte da Season e quatro no final do ano.
 No núcleo duro do Festival Impulso trabalham seis pessoas  e o evento conta com o apoio financeiro da autarquia e parceira da escola de artes caldense.
O Festival que já vai na sua sexta edição, gostaria de regressar ao Parque D. Carlos I em 2025 mas para tal precisaria de ter mais apoios. Esta edição de 2024 contará com 30 concertos que se vão realizar no centro cultural das Caldas. ■