Músicos locais trouxeram as canções da Revolução ao CCC

0
137
Músicos locais e convidados surpreenderam com espetáculo de Abril, homenageando também o 16 de Março das Caldas

Vereadora da Cultura deu nome ao grupo que apresentou“Portas da Revolução” e lotou o CCC

O serão de 16 de março viveu-se com o grande auditório do CCC cheio para recordar os temas da Revolução. O cantor Nelson Rodrigues liderou músicos locais e arrancou fortes aplausos pela forma como interpretou as canções de Adriano Correia de Oliveira, Fausto Bordalo Dias, Zeca Afonso e de Sérgio Godinho.
“Reuni a nata dos músicos desta cidade!”, disse Nelson Rodrigues no fim desta atuação, satisfeito por ter contado com casa cheia para ouvir temas da revolução, numa escolha original, que incluiu dois temas do Conjunto António Mafra.
No fim do espetáculo, a vereadora da Cultura, Conceição Henriques, afirmou que “assistimos hoje ao nascimento de uma nova banda nas Caldas da Rainha!”. E até a nomeou: “Capitão Nelson e a Coluna das Caldas”. Depois deu a conhecer que a atuação surgiu de um convite do presidente Vítor Marques a Nelson Rodrigues “que o aceitou de imediato e que nos proporcionou uma noite maravilhosa!”, rematou a autarca.
O cantor foi acompanhado por Luís Agostinho (acordeão e piano), Nuno Ferreira, (bateria e percussão) e António Macedo (baixo) e também pelos cantores da Benedita, Carlos Bigodes e Daniel Machado. No final, subiu ao palco o cantor e “senhor das vozes”, Fernando Pereira, que partilhou com o público que viveu a Revolução na rua.
Tinha então 15 anos e foi, com os colegas, comprar sandes para os militares que estavam desde cedo no Terreiro do Paço. O artista contou que assistiu a tiros de Pides e “vi gente a morrer”. O próprio foi inclusivamente ferido num braço e foi levado para o hospital. Fernando Pereira contou ainda que elementos da polícia política o foram buscar e, enquanto se vivia a revolução na rua, “ainda me deram um enxerto de porrada”.
O concerto, aplaudido de pé, fechou ao som de “Grândola, Vila Morena”, canção que é “o segundo hino de Portugal e toda a gente a sabe cantar!”, rematou o cantor. ■