“Novíssimas” em debate no Museu de José Malhoa

0
302
No debate, após o documentário, participaram Élia Mendonça, Marri Rocha, Andreia Pampim e Nicole Costa

Documentário sobre as Novas Cartas Portuguesas esteve em debate no Museu Malhoa

Foi exibido no Museu Malhoa no sábado, 20 de abril, o documentário “Novíssimas Cartas Portuguesas”, que revisitou o livro “Novas Cartas Portuguesas” (1972), de Maria Isabel Barreno, Maria Velho da Costa e Maria Teresa Horta (“As Três Marias”).
Sendo esta uma das obras feministas mais importantes que foi escrita em Portugal, um coletivo de autoras quis fazer um filme sobre ele, entrevistando várias mulheres que viveram naquela época e juntando também testemunhos de outras, que vivem as opressões que ainda existem no século XXI.
O documentário de 55 minutos lança um novo olhar sobre este importante livro, analisa os movimentos feministas do século XXI e aborda o papel da Mulher ao longo dos tempos. O documentário reúne 13 entrevistas a mulheres que viveram o 25 de Abril, através das Novas Cartas e até mulheres “que vivem as opressões de hoje”.
A exibição do filme decorreu na Sala das Esculturas do Museu Malhoa e a plateia esteve quase cheia com gente de várias idades, incluindo jovens estudantes. A apresentação do documentário foi seguida de um debate, com Andreia Pampim (uma das realizadoras), Élia Mendonça (AJA Caldas) e Marri Rocha, artista que vive nas Caldas.
A contracepção, as questões de género, a sexualidade e o papel da mulher estiveram em partilha no museu caldense numa conversa que se prolongou pela tarde fora.
O documentário “Novíssimas Cartas Portuguesas” foi uma das 45 obras selecionadas pela Comissão dos 50 anos do 25 de Abril e, como tal, tem sido visto por várias localidades portuguesas, incluindo nas ilhas. “Valorizamos muito o debate e a partilha de ideias entre quem assistiu ao documentário”, disse a realizadora Andreia Pampim.
O filme Novíssimas Cartas Portuguesas já ganhou vários prémios em festivais nacionais e internacionais.
Patente no Museu Malhoa está também uma intervenção de som e imagem sobre a exposição “Da noite escura ao dia claro”, organizada pela Associação José Afonso, Núcleo das Caldas. É possível pois conhecer várias imagens e algum audio sobre os vários acontecimentos que tiveram lugar nas Caldas da Rainha, entre os dias 16 de março e 1 de Maio de 1974. ■