Orquestra Sinfónica Portuguesa trouxe o Natal ao CCC

0
453
Orquestra Sinfónica Portuguesa apresentou-se no palco do CCC com dezenas de músicos | Isaque Vicente

Concerto de Natal da Orquestra Sinfónica Portuguesa levou centenas ao grande auditório do CCC

Sábado, 12 de dezembro, por volta das 16h00, encontra-se uma fila com dezenas de pessoas à porta do CCC, todas distanciadas entre si, a aguardar para entrar no grande auditório. Vêm para assistir ao concerto de Natal da Orquestra Sinfónica Portuguesa, uma iniciativa que já tem vindo a ganhar tradição na cidade termal.
Aos poucos o público vai entrando e no interior do grande auditório é encaminhado para os lugares, havendo o cuidado de manter cadeiras livres entre as pessoas, por forma a cumprir as determinações da Direção-Geral de Saúde.

Grande auditório ficou “cheio” para o concerto

Dentro das limitações e restrições que a pandemia obriga, o concerto contou com casa “cheia” e um público ansioso por ouvir música.
Em palco aparecem então dezenas de músicos. São aplaudidos e de imediato começam uma viagem pela música instrumental europeia dos finais do século XVII e do século XVIII.
O “Concerto Grosso em Sol Menor op. 6, nº8”, de Arcangelo Corelli, é o primeiro tema a ser apresentado. “Provavelmente escrito na década de 80 do século XVII, apesar de publicado (postumamente) apenas em 1714 como um dos 12 Concerti grossi, op. 6. este opus 6, n.º 8 (ou Concerto de Natal, pois contém a indicação de que é «fatto per la notte di Natale») termina com uma conhecida Pastorale” e “há relatos de que o próprio Corelli o interpretou no Natal de 1690”.
Seguiu-se o Concerto para dois violinos (BWV 1043) de Johann Sebastian Bach, composto cerca de meio século depois da obra de Corelli. “É uma das obras mais famosas e reconhecidas do germânico e, consequentemente, considerada uma das obras-primas do Barroco”.

Sessão começou com Corelli, passou por Bach e terminou com Mozart

O encerramento do concerto foi feito ao som da Sinfonia nº38 em Ré Maior K.504, de Wolfgang Amadeus Mozart, que foi estreada em 1787 em Praga, poucas semanas depois da estreia de Le nozze di Figaro. Esta é uma das mais conhecidas composições do autor austríaco.
O concerto de Natal nas Caldas contou com dois solistas, Pedro Meireles e Alexander Stewart, ambos ao violino.
A direcção musical da orquestra ficou a cargo de Antonio Pirolli.

Concerto adiado
Para as 16h30 do dia seguinte, domingo, 13 de dezembro, estava previsto o Recital dos Solistas da Metropolitana, mas o evento foi adiado para nova data a anunciar em 2021.
O Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha informou através das redes sociais que “os bilhetes adquiridos para a sessão de dia 13 de dezembro de 2020, permanecem válidos para a nova data e para os mesmos lugares, pelo que não será necessária a troca dos mesmos”.
Já para domingo, dia 20 de dezembro, está prevista a realização do concerto “Mozart: Sinfonia Haffner”, pela Orquestra Académica Metropolitana, também no grande auditório.
O espetáculo começa às 16h30 e os bilhetes custam entre 5 e 7,50 euros.

Concerto nas Caldas da Rainha foi dirigido pelo maestro italiano Antonio Pirolli | Isaque Vicente