Poesia de Cesariny assinalou primeiro aniversário do espaço OPIN

0
714

paula_carvalho,O primeiro aniversário do espaço Opin – Clínica de Psiquiatria e de Saúde Mental foi assinalado durante o serão de 5 de Março com convívio e poesia de Mário Cesariny. Consolidado o seu primeiro ano, esta clínica, que já emprega nove pessoas, está agora a estabelecer parcerias solidárias com outras entidades caldenses.

“Uma noite com Cesariny”, assim se designou o serão que teve lugar no Opin – Clínica de Psiquiatria e de Saúde Mental. O convívio e a poesia deram mote ao serão, destinado a celebrar o primeiro aniversário daquele projecto.
Cerca de 50 pessoas participaram na iniciativa para dois dedos de conversa, de convívio e de partilha poética. Numa das salas da clínica, as pessoas sentaram-se nas cadeiras e sofás disponíveis. Ao fundo estava a cadeira do leitor e à entrada do espaço, quem queria recolhia poemas de Cesariny para ler. Alguns convivas trouxeram os seus livros e outros leram poemas que sabiam de cor. Interessante foi constatar que ali se reuniram pessoas de todas as idades, alguns poetas caldenses como José Ricardo Nunes e Henrique Fialho, além de outras pessoas que gostam de poesia e de a partilhar. E porquê Cesariny? “Porque é um surrealista e se refere ao inconsciente, algo com que nós também trabalhamos. Como tal, achámos que era o poeta ideal para começar as tertúlias”, referiu Paula Carvalho, a psiquiatra que coordena a Opin e que considera que tal como a Psiquiatria, a literatura também se refere à vida em geral. Dada a adesão dos interessados, é provável que os saraus de partilha poética possam ter continuidade.

Parcerias solidárias

“É importante festejar este projecto pois tem crescido e permitido uma articulação entre diferentes profissionais e estratégias terapêuticas”, disse a psiquiatra, que num ano de funcionamento já emprega nove pessoas: a própria, quatro psicólogos, dois enfermeiros de saúde mental e duas administrativas.
Segundo Paula Carvalho, o primeiro ano da clínica destinou-se a consolidar o projecto. Agora vive-se uma nova fase, designada Opin Solidária, pois a clinica está a estabelecer parcerias com várias entidades como o Olha-te e a Cruz Vermelha. “A Opin contribuirá com  algumas consultas de psiquiatria gratuitas desde que referenciadas por aquelas instituições”, disse Paula Carvalho.
Em Abril a clínica também vai estar presente numa sessão que vai ligar o departamento de informática da Universidade Lusófona à Universidade Sénior – e a outras entidades ligadas à terceira idade – com o intuito de lhes dar mais ferramentas relacionadas com as novas tecnologias.