Super Flash dedicam-se aos musicais há 20 anos

0
644

Os Super Flash é um grupo de dança que pertence ao Arneirense e que se dedica aos musicais. Este fim de semana, assinala o seu 20º aniversário durante o 17.º Festival de Grupos de Dança que decorre na sua associação. A ensaiadora do grupo é Sónia Luís, responsável pelas coreografias de musicais como Cats, Música no Coração, Singing in the Rain, My Fair Lady e Moulin Rouge.

Gazeta das Caldas - Super Flash
A coreógrafa Sónia Luís

Sónia Luís, 39 anos é a coreógrafa dos Super Flash desde Novembro de 2000. O grupo teve início dois anos antes e quatro dos seus elementos eram atletas do Arneirense que gostavam de dançar. Juntaram-se mais três raparigas e um rapaz e em Setembro de 1998 começavam a ensaiar.
“Entrei a convite do anterior presidente Abílio Camacho para ensaiar o grupo”, disse Sónia Luís, que além de coreógrafa é bancária. Sempre gostou de dançar e, desde miúda, que integrava um grupo de dança rítmica, designado Onda Jovem, no Campo.
Sónia Luís viu o grupo dançar pela primeira vez em 1999, na Lagoa Parceira, numa altura em que o projecto acabou por ser integrada no próprio Arneirense.
“Nessa altura, o grupo era apoiado por um grupo de pais”, contou a responsável que quando entrou ainda manteve a dança rítmica, fazendo coreografias de músicas dos Santamaria e de Daniela Mercury. Hoje recorda que uma das primeiras músicas que propôs ao grupo foi Salomé de Ricky Martin. E quando Sónia Luís assistia a um programa de televisão onde os concorrentes tinha que dançar um musical, decidiu levar a ideia ao grupo. E assim, em 2001 surgiu a primeira coreografia: América que pertence ao musical West Side Story. A formação entretanto foi crescendo e chegou a ter cinco rapazes, além das oito raparigas. Ao todo, pelo grupo de dança, já passaram mais de 45 bailarinos.
A partir de 2001 o grupo passa a estrear um musical por ano, com criação de coreografias, figurinos, adereços e cenários por Sónia Luís. As roupas são feitas por costureiras e pertencem ao espólio do Arneirense. Desde o primeiro musical que todos os anos estreiam um musical a 15 de de Agosto na Festa das Tasquinhas, na Expoeste.
Os Super Flash actuam nas Caldas (Biblioteca e CCC) e em várias localidades onde há outros grupos de dança, realizando intercâmbios. Já participaram em programas de televisão e também já actuaram em Espanha.
Em média o grupo faz 15 actuações por ano e tem entre 10 a 12 elementos, com idades entre os 12 e os 22 anos.

 

Uma segunda família

Mesmo sendo autodidactas “trabalhamos de forma profissional”, disse a ensaiadora, que salienta o empenho dos elementos do grupo e a dedicação que torna os bailarinos também em actores. Os Super Flash têm um staff de quatro pessoas: Paula Pinto, João Pinto, Maria João Tavares e José Tavares que ajudam em tudo o que é necessário às actuações de dança.
Para a presidente da ACDR Arneirense, Anabela Patacho, o grupo de dança já recebeu tantos jovens (45), o que faz dele um projecto “enorme”. A dirigente conta que já passaram 20 anos e que o trabalho feito “enche a colectividade de orgulho” e deseja que o grupo possa continuar a dançar e a evoluir.
Entre as actividades que fazem em conjunto, além dos ensaios e das actuações, contam-se idas a Lisboa para assistir aos musicais. No ano passado foram ver o Cats e o Mamma Mia. O futuro dos Super Flash está assegurado, com Sónia Luís já a pensar em novas coreografias de musicais que vão continuar a surpreender o público.
Todos os bailarinos que vão passando pelo grupo referem que os Super Flash são como uma segunda família, um grupo muito unido que lhes deixou boas memórias.

 

Testemunhos de antigos bailarinos

O Super Flash foi do melhor que poderia ter na altura, a paixão pela dança e amizades que ficaram para a vida.
Daniela Coutinho, 26 anos, comerciante

O projeto foi uma experiência fantástica, o início de um “amor”, a dança. Foi um orgulho ter feito parte deste grupo.
Cátia Henriques, 33 anos, técnica de Contabilidade

Integrar o Super Flash foi importante na minha adolescência pois podíamos ser nós próprios sem restrições. Tínhamos um bom grupo onde a gargalhada e a boa disposição estiveram sempre presentes.
Cristiano Lá Féria, 28 anos, freelancer de Som e Imagem

Pela primeira vez na minha vida tive amigos. A adolescência é uma fase confusa e dolorosa, cheia de indecisões, mas o Super Flash foi a única decisão que nunca questionei.
Inês Tavares, 24, estudante e operadora de call center

O Super Flash proporcionou-me os melhores momentos da minha vida! Estar em cima de um palco com os meus melhores amigos a fazer o que adoramos, é algo sem igual!
Patrícia, 19 anos, estudante de Bioengenharia

O Super Flash foi muito importante para mim, apesar de já não dançar, sinto que, passem os anos que passarem, vou sempre pertencer a este grupo tão belo a que posso chamar família.
Ana Vaz, 20 anos, estudante de Solicitadoria

Com a música eu transporto-me deste mundo e recarrego meu nível de felicidade em apenas alguns minutos.
Vanessa Rodrigues, 29 anos, auxiliar de saúde

O Super Flash foi o início de uma brincadeira de 7 miúdas e um miúdo que eram os melhores amigos e decidiram entre eles fazer um grupo de dança, que se traduziu em muita alegria.
Maria Inês Gomes, 31 anos, assistente administrativa

Fui muito feliz com o grupo. Fez-me crescer a nível pessoal e profissional, dando muita experiência como dançarina e acima de tudo, amizades eternas, começadas pela dança.
Priscila Martins, 26 anos, treinadora de ginástica

Foi para mim foi uma época de grande divertimento e de bons momentos entre oito bons amigos.
Ana Gomes, 34 anos, operadora de supermercado

O grupo deu me entusiasmo, alegria e amizades que durarão uma vida.
Rita Tavares, 27 anos, barmaid

Como uma das fundadoras, e após todos estes anos, é um privilégio ver o crescimento e evolução deste grande grupo. Foram anos fantásticos, de muito trabalho, de muitas aprendizagens, alegrias e tristezas.
Andreia Bento, 33 anos, lojista

Tudo começou por brincadeira e com o interesse de descobrir algo de novo na dança, desde os primeiros ensaios até ao pisar o primeiro palco com público. Lembro-me como se fosse ontem do medo de falhar e a adrenalina ao rubro na primeira dança que fizemos em frente a um público. A cada actuação demos sempre o nosso melhor.
Francisco Ezequiel, 34 anos, motorista de pesados

Foi uma das experiências mais marcantes da minha vida. Além de ser um grupo de dança foi, por alguns anos, a minha segunda casa, onde cresci imenso.
Inês Filipa, 21 anos, estudante de Artes Plásticas e Multimédia

Na altura foi um sonho de meninas que não esperavam que ao formar um grupo iria além de uma brincadeira! O Super Flash para mim era família. Crescemos juntas em uma altura em que os sonhos eram importantes na nossa idade. Para mim era um refúgio e um lugar de paz quando dançávamos.
Liliana, 32 anos, assistente de contabilidade

Hoje com 28 anos digo que o Super Flash foi algo que marcou a minha adolescência.
A dança era uma paixão e a vontade de ir para os ensaios à noite e estar com “aquela equipa” superava tudo.
Sinto-me nostálgica quando vejo hoje as actuações do grupo nas redes sociais e gostava de poder voltar aqueles tempos.
Ana Silva, 28 anos, enfermeira

O Super Flash foi uma experiência única, um marco na minha adolescência. Todas as actuações e ensaios eram uma “festa” pelo forma como todos nos dávamos.
Joana Oliveira, 26 anos, educadora de infância

O Super Flash foi uma parte muito importante do meu crescimento. Aprendi a expressar me através da dança e conheci pessoas maravilhosas”.
Maria João Figueiredo, 23 anos, governanta

 

Testemunhos da actual formação

O Super Flash é um grupo fantástico e único, onde a dedicação, o amor pela dança e pelos musicais faz com que se distinga dos outros. Fazer parte deste grupo dá-me uma grande alegria.
Maria Miguel, 18 anos, estudante de arquitectura

Quando entrei para o grupo, pensava que era apenas um grupo de dança, hoje, passados 2 anos, descobri que é uma família.
Beatriz Silva, 16 anos, estudante de línguas e humanidades

O Super Flash ajudou-me a crescer e a tornar-me no que sou hoje!!
Mariana Canas, 18 anos, estudante de Turismo

Desde que entrei no grupo (2013) que percebi que não era apenas mais um grupo de dança. Foi lá, graças aos seus membros que aprendi o significado de uma verdadeira amizade e o conceito de equipa.
Joana Coito,19 anos, estudante de história da arte

Faço parte desta família desde que me lembro, o Super Flash é a minha segunda casa, lá cresci, aprendi e aprendo sempre coisas novas. É com muito orgulho que faço parte deste grupo”.
Carina Pinto, 19 anos, estudante curso técnico de Desporto 12ºano

O Super Flash não é só um grupo de dança. São também as viagens, os risos, as histórias, a adrenalina que sentimos nas actuações, a família que temos e somos, o orgulho que nos enche o peito e o gosto incondicional de dançar.
Alexandre Sacramento, 17 anos, estudante do 12° ano de Economia

O Super Flash representa a minha liberdade física, onde eu posso libertar tudo o que o que está na minha cabeça com toda a força.
Inês Montoia, 16 anos, estudante de música

Super Flash para mim é um sonho tornado realidade, aquilo que eu sempre quis ter!
Zé Costa, 16 anos, 11° Humanidades

Super Flash é o meu lugar seguro onde sou livre para criar e capaz de transmitir emoções aos que nos vêm em palco.
Rita Costa 18 anos, Estudante de Engenharia de Materiais na FCT

Estar no Super Flash significa poder dançar ao som dos meus musicais preferidos e mostrar a minha felicidade a fazê-lo.
Viviana Semedo, 15 anos, estudante de Ciências Socioeconómicas