Teatro Aberto trouxe poesia de Ruy Belo ao palco do CCC

0
699
Gazeta das Caldas - Ruy Belo
Um dos momentos da actuação "Um dia Uma Vida"

O poema “Um Dia Uma Vida”, de Ruy Belo, deu origem a um espectáculo que foi apresentado pelo Teatro Aberto, a 29 de Junho, no CCC. O alter-ego do poeta, uma médica, um pescador e uma youtuber interpretaram, de forma original, o poema do autor riomaiorense dando contemporaneidade às suas palavras.
Com encenação de Marta Dias, a peça foi seguida de uma conversa com o público, que teve oportunidade de partilhar com a produção e elenco vários aspectos sobre o espectáculo.

As palavras do poeta de Rio Maior foram recriadas no palco do CCC. O seu poema “Um Dia Uma Vida” ganhou forma através das histórias de quatro personagens, que se entrecruzaram e que envolveram o público nas suas reflexões sobre o modo como vivem. Esta foi uma peça-cantata sobre a passagem do tempo e como o Homem a tenta deter e dar sentido aos seus dias.
A voz do poeta Ruy Belo (1933-1977) transformou-se nas vozes de um homem (alter ego do poeta) que não dorme e que observa o mar e a aldeia, uma médica que se vê ao espelho, amargurando-se com as rugas e com os filhos que não teve. Há ainda o pescador que vai ao mar ganhar a vida e depois fica a puxar as redes em terra e uma jovem youtuber que quer conquistar o mundo que vê pelo ecrã e que, através dele, anuncia quem é. E é através das quatro histórias que o poema do Ruy Belo ganha vida, entrecruzado com falas criadas pela encenadora Marta Dias.
A responsável gostou de trabalhar Ruy Belo, um dos poetas portugueses mais conhecidos do século XX. Na partilha com o público, e já depois do espectáculo, explicou que quis dividir a voz do autor tendo criado personagens diferentes e permitindo múltiplas interpretações da sua poética.

“Foi um verdadeiro desafio”, disse Marta Dias, após ter abordado alguns detalhes técnicos como o uso de lanternas pelas personagens, que iluminavam parcamente os seus rostos, dando primazia à palavra.
A encenadora contou com o apoio da mulher de Ruy Belo, Teresa Belo, falecida dias antes da estreia da peça em Junho. Durante a preparação de “Um Dia Uma Vida”, o elenco assistiu a um documentário sobre a vida do autor.
Um dos actores, Rui Melo, não conhecia Ruy Belo, mas hoje diz-se fã da sua escrita. “Foi muito interessante descobri-lo e poder contribuir para a divulgação da sua obra”, disse à Gazeta das Caldas, acrescentando que a peça esteve em cena durante um mês e meio na sede do Teatro Aberto em Lisboa, tendo posteriormente sido apresentada em Castelo Branco, Setúbal e Caldas da Rainha. Antes, Marta Dias encenou a peça “Toda a Cidade Ardia”, baseada em poemas de Alice Vieira.