Caldas a crescer vence com segurança

0
715
Gazeta das Caldas
Nuno Januário atira para o segundo golo do Caldas, após assistência de David Silva

Exibição segura garantiu ao Caldas três pontos e subida à primeira metade da tabela. Farinha na primeira parte e Januário na segunda apontaram os golos, ambos em lances de bola corrida.

Complexo Desportivo Municipal das Caldas da Rainha
Árbitro: Diogo Coelho, AF Lisboa
Assistentes: Joel Almeida e Ricardo Franco
CALDAS 2
Luís Paulo [3]; Militão [3], Rui Almeida [3] (C) e Pedro Gaio [3] (Passos [1] 77’); Juvenal [3], Paulo Inácio [3], Simões [3], Marcelo [3] e Farinha [3] (Iuri Gomes [1] 83’); Januário [3] e Ricardo Isabelinha [2] (David Silva [2] 64’)
Não utilizados: Rui Oliveira, Bernardo Rodrigues, Leandro, Araújo
Treinador: José Vala
ALCAINS 0
João Gomes; Sunday, Razak e Nuno Ramos; Fábio Mariano (Nuno Reigones 73’), Abudu, Ruben Nogueira, Luís Gustavo e Kaba; Yero (C) (Patrick 73’) e Maurício Martins (Walid 63’)
Não utilizados: Gonçalo, Samuel, João Vaz, Bruno Gomes
Treinador: João Laia
Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Farinha (38’) e Januário (81’)
Disciplina: amarelo a Nuno Ramos (25’)

O Caldas despediu-se do Campo de Rugby com registo perfeito (dois jogos duas vitórias) antes de regressar ao finalmente livre de castigos Campo da Mata. Vindo de uma passagem bem conseguida na Taça de Portugal em Vila Franca de Xira, os alvinegros voltaram a ter exibição muito consistente.
O Alcains, que até tinha começado bem a época, vinha de duas derrotas e procurou surpreender na fase inicial. O Caldas entrou, por sua vez, sereno e a mostrar desde logo uma eficácia forte no jogo defensivo e um à vontade cada vez maior no seu jogo.
A formação alvinegra anulou com facilidade a entrada do Alcains e começou a crescer em direcção à baliza oposta. Marcelo deu o primeiro sinal, mas foi a jogada de entendimento perfeito entre Farinha e Januário que fez suspirar pela primeira vez os adeptos.
O Caldas mostrava que podia criar perigo, mas nunca forçou muito a barra em termos ofensivos. Ricardo Isabelinha, esforçado no ataque, acabava por ter pouco apoio. Mesmo assim quase marcou ao minuto 18, depois de um roubo de bola lhe proporcionar um remate já na área, mas que saiu demasiado cruzado e para fora.
Mas o jogo de paciência acabou por compensar, naquela que foi a fase mais intensa da partida. Dois lances de Yero criaram perigo junto da baliza do Caldas, resolvidos sem problemas por Luís Paulo. O Caldas respondeu na mesma moeda: a dobras. Após lance pela esquerda, Marcelo atirou para João Gomes defender. Pouco depois o Caldas volta à carga, Farinha inicia o lance na esquerda, a bola chega na direita a Juvenal que faz um centro que bem podia figurar nos manuais de como bem cruzar, Farinha, que fez bem o movimento ao segundo poste, cabeceou para o primeiro golo.
Vantagem justa, não pela intensidade de jogo, mas pela forma competente como o Caldas encarava a partida.
Era nesse tom que a turma alvinegra viria a encarar o segundo tempo, mantendo concentração absoluta na sua organização defensiva, embora sem deixar de deitar os olhos a saídas rápidas em transição, tendo como referências os dois homens mais adiantados: Nuno Januário e Ricardo Isabelinha, e depois David Silva no lugar deste.
Sem conseguir penetrar na defensiva caldense, o Alcains procurou abrir o ataque a três. Walid, que entrou para a direita, obrigou Luís Paulo à defesa da tarde, e José Vala a compor a equipa com uma defesa a quatro.
A equipa caldense respondeu bem ao ajuste e chegou ao segundo golo. Começou num lance com Paulo Inácio a lançar Marcelo na esquerda para um remate ao lado. O Alcains tentou sair a jogar, mas na pressão ofensiva Farinha roubou a bola, deu para David Silva e este assistiu o remate de Januário que só terminou no fundo da malha.
Era a confirmação de uma vitória tão segura como a exibição da equipa.

Gazeta das CaldasMELHOR DO CALDAS
FARINHA 3
Cada vez melhor adaptado à função de preencher toda a asa esquerda, soube ler bem quando precisava de estar recuado e quando podia desequilibrar na frente. E voltou a desequilibrar. Sempre presente nos grandes lances de ataque, marcou e fez o roubo de bola que permitiu o segundo golo.

Gazeta das CaldasPEDRO GAIO, JOGADOR DO CALDAS
RESULTADO DIZ TUDO
Foi um jogo complicado, mas estivemos ao nosso nível e o resultado diz tudo. A cada jogo que passa estamos cada vez mais unidos e mais fortes. Queremos sempre ganhar, mas especialmente em casa com os nossos adeptos a apoiar é sempre bom dar-lhes uma vitória. Esta experiência está a correr bem, ainda está no início, quero continuar a trabalhar para ajudar a equipa. Não esperava ser titular logo na fase inicial, mas fiz por isso e agora é dar continuidade.

JOSÉ VALA, TREINADOR DO CALDAS
VITÓRIA JUSTA
Queremos sempre mais, até disse aos jogadores ao intervalo que estávamos a dominar o jogo, mas estávamos a ser um pouco lentos no último terço. O jogo esteve sempre controlado, mas com o resultado em 1-0 há sempre a sensação que num lance de bola parada ou numa transição o adversário pode marcar, era preciso fazer o segundo golo. O Alcains na segunda parte abriu os corredores, nós ajustámos e foi uma vitória justa. Agora podemos voltar à Mata, estamos satisfeitos por poder voltar ao nosso campo, onde treinamos e temos as nossas rotinas, vai ser importante.

JOÃO LAIA, TREINADOR DO ALCAINS
ERROS DEFENSIVOS
Na primeira parte estivemos bem em termos defensivos e de organização, mas cometemos dois erros e num deles surgiu o golo. Na segunda parte tínhamos que ir à procura do golo, permitimos transições ao Caldas mas tivemos dois ou três remates pelo Nogueira e pelo Walid, não marcámos e fomos penalizados com outro erro numa saída de bola.