Calistenia: Bar Wings quer desenvolver nova modalidade nas Caldas

0
1161
A bandeira humana é uma das figuras mais conhecidas da calistenia

O BWCR – Clube de Calistenia das Caldas da Rainha surge da dedicação de Iuri Lage a uma modalidade que está a ganhar dimensão como forma de treino, mas também na competição

Foi criado, a 30 de abril deste ano um novo clube nas Caldas da Rainha, o BWCR – Clube de Calistenia das Caldas da Rainha, ou Bar Wings. É dedicado a uma modalidade em ascensão, a calistenia, que consiste no treino utilizando barras e o peso do próprio corpo. Na vertente competitiva, envolve a execução de figuras, como a bandeira humana, ou demonstrações de força.

Iuri Lage descobriu a modalidade há 9 anos e tem vindo a desenvolver competências como atleta e treinador

Iuri Lage é o impulsionador do novo clube. Conheceu a modalidade há cerca de 9 anos, quando se dedicava à prática da ginástica como atleta de competição. “Utilizei este método de treino para potenciar a minha força para a ginástica”, conta. Mas acabou por desenvolver um gosto especial e decidiu dedicar-se em pleno à calistenia.
A ideia de fundar um clube para a modalidade surgiu há cerca de dois anos. Iuri Lage ingressou no ensino superior em Direito, mas percebeu que era a calistenia que mais o motivava. “Levei a licenciatura até ao fim e depois fui fazer várias formações, incluindo um mestrado na Escola Superior de Desporto de Rio Maior”. Surgiu, assim, o Bar Wings, o primeiro ginásio e o primeiro clube de calistenia nas Caldas e um dos primeiros no país.
Além de se treinar, Iuri Lage tem vindo a trabalhar com um grupo de cerca de 20 pessoas, no pequeno conjunto de barras que se encontra na Mata Rainha D. Leonor e no Abraço Verde.

“A calistenia vem desde a Grécia antiga e tem ganho popularidade por todo o mundo”

Iuri Lage

“A modalidade adapta-se facilmente à idade, às características e aos objetivos de cada pessoa”

Iuri Lage

Cumprida a etapa da fundação, o clube está agora a estudar as hipóteses para se estabelecer com uma sede própria e um ginásio dedicada. Aquelas duas estruturas públicas permitem a prática da calistenia, “mas não com as condições mínimas para participar em competições internacionais, que é um dos meus objetivos como atleta, nem para dar treinos a pessoas durante todo o ano”, revela.

A Calistenia
Há relatos de treino calisténico desde a Grécia antiga, atribuído aos espartanos. Trata-se de uma modalidade que tira, sobretudo, partido do peso corporal e na sua interação com a força da gravidade para obter “o máximo de controlo, força e resistência física”, descreve Iuri Lage. Tem algumas semelhanças com a ginástica e o crossfit, “mas são desportos e modalidades diferentes, com métodos de treino e filosofias diferentes”, sublinha.
Com o clube, Iuri Lage tem em mente a preparação de atletas para a participação em provas nacionais e internacionais, mas também ajudar no treino de atletas de outras modalidades, para a melhorar a força física, ou outras aptidões.
O clube também terá uma vertente não competitiva, dirigida à população em geral. “A calistenia tem a grande vantagem de ser facilmente adaptável a pessoas de todas as idades”, pelo que se pode ajustar aos objetivos e níveis físicos de todas as pessoas.