Olho Marinho venceu jogo intenso

0
969
Plantel seniores masculinos do CCDS Casal Velho (Foto: Região Cister)

Pavilhão do Casal Velho
Árbitros: André Meneses e Gonçalo Rocha, AF Leiria. Cronometrista: Nélio Almeida
CASAL VELHO 2
Rui Castelhano, Filipe Gonçalves, Sineta (C), Nini, Loja, Rafael Fonseca, Flávio, Luís Pedro, Pedro Ferreira, Filipe Eusébio, João Mendes, Marcelo Fernandes, Leandro Dionísio
Treinador: Nuno Teles
OLHO MARINHO 3
Carlos Paulo, Paulo Fonseca, Wilson, Jander, Vítor Hugo (C), Tiago Costa, Chinoby, Osvaldo, Porfírio Leitão, Ruizinho, Luís Pina, Francisco Delgado
Treinador: Ricardo Lobão
Ao intervalo: 0-0
Marcadores
Porfírio Leitão (27’), Luís Pedro (31’), Chinoby (32’), Carlos Paulo (36’), Rafael Fonseca (40’)
Disciplina
Amarelo: Porfírio Leitão (18’ e 29’), Sineta (25’), Ruizinho (38’), Loja (39’)
Vermelho: Porfírio Leitão (29’)

Casal Velho e Olho Marinho ofereceram um grande jogo de futsal, em que nada faltou, nem mesmo polémica. Os obidenses venceram com maior eficácia no segundo tempo.
A primeira parte ditou um duelo equilibrado, com dois conjuntos muito eficazes nas suas acções defensivas. O Olho Marinho, líder do campeonato, a mostrar-se um pouco mais ofensivo, mas o Casal Velho, que em caso de vitória podia chegar à liderança, tinha igualmente a lição bem estudada.
Foi apenas em remates de longe por Paulo Fonseca e ao poste, e Porfírio Leitão para defesa de Rui Castelhano que o Olho Marinho conseguiu criar perigo. Mas o lance determinante da primeira parte foi mesmo o último. Após a defesa de Rui Castelhano ao remate de Porfírio, o Olho Marinho ganhou um canto com 1,9 segundos para jogar. Tempo suficiente para o Casal Velho recuperar a bola e fazer um remate que acabou no fundo da baliza de Carlos Paulo. O remate saiu depois de soar a buzina do cronometrista, mas antes do apito final do árbitro. A lei de jogo diz que o golo devia ter sido validado, mas não foi, porque o árbitro considerou que o jogo já tinha terminado.
A segunda parte começou praticamente com o Olho Marinho a marcar, com Porfírio Leitão a receber na esquerda, a driblar para dentro e a atirar cruzado ao poste mais distante. O Casal Velho cresceu a meio da segunda parte e empatou com um remate de longe de Luís Pedro. No entanto, na resposta o Olho Marinho voltou ao comando com uma grande combinação de Chinoby com Paulo Fonseca, uma tabela a toda a largura do campo que abriu a defesa do Casal Velho.
Com a equipa da casa a ter dificuldades e pouco tempo para reagir à nova desvantagem, a cinco minutos do final Nuno Teles apostou no 5×4, mas quase de imediato sofreu o terceiro golo, apontado pelo guarda-redes Carlos Paulo de baliza a baliza.
Mas a estratégia da equipa da casa manteve-se, Rafael Fonseca reduziu já dentro do último minuto, num livre de 10 metros. E depois manteve a pressão para forçar um erro ao Olho Marinho, que não cedeu.

NUNO TELES, TREINADOR DO CASAL VELHO
Vamos lutar com muita raça
Estava em jogo podermos subir inclusivamente a primeiro e jogando em casa tínhamos ambição de ganhar, mesmo sendo o Olho Marinho uma equipa muito forte. Foi um jogo disputado, resolvido por pormenores. A nível defensivo estivemos muito bem, mas cometemos alguns erros em alturas cruciais e houve alguns lances duvidosos que talvez pudessem ter equilibrado para o nosso lado. A equipa está motivada, os nossos objectivos estão bem delineados desde o início da época. Queremos andar nos primeiros lugares e vamos lutar com muita raça e querer a cada jogo para o conseguirmos. Temos um misto de jogadores da zona com outros formados no clube, o que deve ser valorizado.

RICARDO LOBÃO, TREINADOR DO OLHO MARINHO
Queremos estar na segunda fase
Viemos impor o nosso jogo, tivemos bastante posse de bola, defendemos dessa forma bem a nossa baliza e criámos situações de golo. O resultado foi nivelado, o adversário valorizou a nossa prestação, mas vínhamos para ganhar e conseguimos. Queremos atingir objectivos intermédios que se conquistam jogo a jogo para estar nas posições cimeiras no final da fase regular e estar na segunda fase. Este grupo está a trabalhar muito e são os jogadores que estão a cumprir pela forma como representam a região, o Olho Marinho e pelos espectáculos que dão. Tentamos jogar um futsal positivo, no qual queremos ter a bola e dar bom espectáculo, porque temos uma equipa forte em termos individuais que joga muito no colectivo.