250 Maiores empresas do oeste valem 5,2 mil milhões

0
375

Estudo revela um ano ímpar para as empresas da região, que estabeleceram marcos históricos em toda a linha

Mais do que retoma económica, o ano de 2021 foi um ano de crescimento para as empresas do Oeste, após um 2020 clara e profundamente marcado pela pandemia de covid-19, que além de incerteza, trouxe mesmo paralisação a alguns setores de atividade. Esse crescimento é notório na análise aos números das 250 Maiores empresas do Oeste, que em conjunto representaram um volume de negócios de 5,2 mil milhões de euros, que além de ser superior, em 15,2%, ao volume de vendas deste grupo no ano passado, supera os 4,7 mil milhões de euros registados no exercício de 2019, em que a economia regional, assim como a nacional, tinha batido todos os recordes.
No grupo das 250 Maiores, apenas 47 apresentaram quebras na faturação (18,8%). Apenas duas empresas deste restrito grupo faturaram abaixo dos 6 milhões de euros em 2021, o que também demonstra que a exigência para entrar neste restrito lote aumentou em cerca de 700 mil euros.
As 250 maiores aumentaram 16,8% as exportações, ultrapassando pela primeira vez a fasquia dos mil milhões de euros, subiram os lucros 54,7%, para os 199 milhões de euros, e a empregabilidade em 3%, para um total de 25.437 postos de trabalho.
No ‘top 10’ das 250 Maiores, os dois primeiros lugares mantiveram-se inalterados. A Rações Valouro, SA mantém a liderança que apresentou nas primeiras duas edições deste estudo, com um volume de negócios, pela primeira vez, acima dos 200 milhões de euros e um crescimento de 19,5%. No segundo posto também não há novidades, com a Eugster & Frismag – Electrodomésticos, Lda a reforçar a posição, com um crescimento de 31,1% para os 162,7 milhões de euros, mas mesmo assim a mais de 40 milhões de euros da liderança. Fecha o pódio da edição deste ano a Riberalves, Comércio e Indústria de Produtos Alimentares, SA, que com uma faturação de 144,4 milhões de euros e um crescimento de 6,3% é a primeira entrada nova, uma vez que, por motivos burocráticos, não constou do ranking no ano passado.
Apesar de existirem algumas trocas de posições abaixo, nas 10 maiores do Oeste cabe apenas mais uma entrada nova, para o 10º lugar, a Radius Business Solutions (Portugal), Unipessoal Lda, uma empresa de comércio de combustíveis que tem sede nas Caldas da Rainha e também não entrou no estudo do ano passado. Esta empresa registou um volume de negócios de 81,3 milhões de euros e cresceu 62% em relação ao exercício anterior.
Há ainda a destacar nas 10 Maiores que a primeira metade é totalmente ocupada por empresas de Torres Vedras, juntando-se às três primeiras a Frutas Patricia Pilar, SA e a Florêncio Augusto Chagas, SA. A Euroeste, SA, de Alenquer, é a primeira não torriense do top. Este concelho tem duas empresas nas 10 Maiores, com a CACB – Produtos Alimentares, Lda em 8º. No meio de ambas, em 7º, surge a maior empresa das Caldas da Rainha, a Auto Júlio, SA.
O quarto concelho com empresas no ‘top 10’ é Peniche, com a European Seafood Investments Portugal, SA em 9º. É a única empresa das 10 Maiores com uma quebra nas vendas, próxima dos 400 mil euros. ■