Abriu em Alfeizerão uma barbearia de estilo retro-vintage

1
11654
Noticias das Caldas
Nelson Baptista trocou o seu emprego de 20 anos para concretizar o sonho de ser barbeiro | B. R.

Localiza-se na Rua 25 de Abril, a principal via que atravessa a localidade de Alfeizerão, e tem as portas abertas no nº 130 B. Do lado de fora está pendurado um pólo de barbeiro rotativo que é o símbolo máximo da profissão. Para os clientes é também um sinal que o espaço se encontra aberto pois Nelson Baptista retira-o quando chega a hora do fecho.

Ao entrar na Barbearia Baptista encontramos uma enorme sala decorada com um estilo vintage, bem à moda americana dos anos 50 e 60: a parede vermelha, o pavimento axadrezado preto e branco, sofás prateados e posters dos Schorem Barbers (barbeiros holandeses mundialmente conhecidos que só fazem cortes dos anos 30 aos 50). Estes criaram as pomadas da marca Reuzel, que Nelson Baptista também vende no seu espaço. Aqui também há um mini-frigorífico com cervejas, máquina de café, revistas da Playboy e uma cadeira com pelo menos um século que pertenceu aos dois antigos barbeiros de Alfeizerão. A aparelhagem passa música rockabilly e blues.
Em breve, num dos cantos da barbearia será montado um bar, no noutro alguns expositores com a linha de roupa que o proprietário também está prestes a lançar. Já a televisão que actualmente está conectada à MTV passará apenas a transmitir imagens de barbeiros “old-school”, pin-ups e carros hot rods.
Nelson Baptista, 41 anos, trabalhou durante duas décadas para empreiteiros da EDP, mas desde os 18 anos que descobriu o gosto pelos cabelos. “Foi quando comprei uma máquina de corte de cabelo e cortei o meu sozinho pela primeira vez. Depois comecei a cortar a familiares e amigos e dei conta que mesmo sem formação nenhuma me desenrascava bem”, recordou o responsável. Aquilo que era apenas um hobbie passou a prioridade quando se apercebeu que o seu trabalho na área da electricidade não o preenchia. “Sempre fui um inconformado e senti que estava na altura de mudar de vida. Ganhei coragem e graças a uma certa dose de loucura deixei o meu emprego para abrir a barbearia”, disse Nelson Baptista, revelando que ainda chegou a trabalhar uns meses numa empresa de seguros antes de avançar com o seu próprio negócio. Necessitou de investir 15 mil euros para concretizar o sonho de ser barbeiro.
Actualmente, Nelson já é formado em cabeleireiro/barbearia, especializado no corte para homens. “Faço desde o corte vintage, o moderno ou o clássico”, afirma, realçando que mais do que seguir as modas, procura criar estilos. “Aquilo que é tendência nem sempre corresponde ao gosto das pessoas e o mais importante é saber corresponder ao estilo de cada um”, acrescenta. O barbeiro também explora a arte do desenho em cabelo e, quanto às barbas, diz que se usam desenhadas, cheias, alinhadas com os ângulos do rosto, mas sobretudo com um aspecto arranjado. É também fundamental que sejam bem hidratadas com produtos específicos para o efeito.
Além de tratar a barba e o cabelo, a Barbearia Baptista tem ainda um serviço de tatuagens por marcação prévia. Em horário de Inverno, o estabelecimento funciona de terça a sexta-feira das 9h30 às 19h00, com pausa para almoço entre as 13h00 e as 14h30. Aos sábados encerra às 17h00 e segunda-feira só abre a partir das 14h30.

1 COMENTÁRIO

  1. De facto, é imprescindível fazer obras de beneficiação na urgência do Hospital das Caldas da Rainha. Ja la tive de ir numa situação urgente e a impressão com que fiquei não foi a melhor – instalações deficientes e uma médica meia estrangeira mal disposta porque estava desde a véspera de serviço (como se o doente tivesse culpa desse facto…)…Quanto às instalações da urgência, digo o que toda a gente que as conhece diz, não têm condições e quem ali entra desconhece se não será infectado por alguma bactéria… Em suma, em Portugal poupa-se muito também na Saúde, a fim de alimentar a ditadura do défice das Contas Públicas e, depois, vem sempre alguém dizer com ar mais sério deste mundo que “há alternativa à austeridade”… Acredite quem quiser; eu não acredito!