André Macedo alertou em Óbidos para a importância da marca Oeste

0
541

O secretário executivo da OesteCIM (Comunidade Intermunicipal do Oeste), André Macedo, foi o convidado do mais recente Encontro Empresarial ao Almoço da Óbidos.com, que se realizou no passado dia 30 de Março.
André Macedo apelou à união dos 12 municípios que fazem parte da região Oeste e alertou para o grande peso que esta marca tem vindo a ganhar, salientando como exemplo toda a riqueza desta zona.
Neste almoço, André Macedo focou ainda a necessidade de criar um Plano Estratégico para o Oeste, “criando lóbis tendo em conta o desenvolvimento económico da própria região e o que se passa neste momento na União Europeia”, refere a associação em nota de imprensa.
O presidente da Óbidos.com, Luís Cajão, destacou a importância de ressuscitar o projecto de um aeroporto civil na Ota, tendo em conta o anúncio do governo de que, em vez de Alcochete, faria sentido o “Portela + 1”.
Foi também abordado o tema da Linha do Oeste, necessária ao “desenvolvimento económico da região e todas a pessoas que sempre serviu, cidades que ligou, e pelos benefícios ambientais que este meio de transporte proporciona”.
Também presente no evento, o vice-presidente da AIRO, Almerindo Almeida, fez referência ao Oeste Activo, projecto que estão a desenvolver em parceria com o Instituto Politécnico de Leiria.
Este empresário e dirigente associativo mostrou-se ainda preocupado com a desunião que considera existir no Oeste, uma opinião partilhada pelos membros da Óbidos.com.
Para o jornalista Jaime Feijão, faz sentido a criação de uma Câmara de Comércio e Indústria no Oeste, lembrando assim uma proposta já antiga de Luís Cajão. A ideia foi bem acolhida por André Macedo, que se disponibilizou para conhecer em pormenor este projecto junto do presidente da Óbidos.com.
Dias antes, a associação empresarial organizou um seminário de aproximação e de consolidação da sua relação com o tecido empresarial. A sessão, subordinada aos “Incentivos para as Empresas – Novos Concursos e QREN” deu a conhecer aos participantes os dois sistemas actualmente em vigor, o de Incentivo à Inovação e de Incentivo à Qualificação.
Nuno Mendonça, administrador da empresa Núcleo Inicial, defendeu que é necessário apoiar as empresas no “desenvolvimento de sistemas inovadores que possam capitalizar em aumentos de produção e das suas vendas”, assim como “apostar em recursos humanos qualificados que contribuam para o incremento dos processos produtivos e de revitalização das empresas com o consequente aumento das suas exportações”, refere nota da associação.
Os empresários esclareceram algumas dúvidas sobre os incentivos que existem agora em curso, assim como prazos e condições necessárias para poderem proceder à apresentação das suas candidaturas ao QREN.

Fátima Ferreira
fferreira@gazetadascaldas.pt