BitCliq em missão empresarial à Islândia

0
729
Gazeta das Caldas
Pedro Manuel fundou a BitCliq em 2013 | D.R.

A empresa caldense BitCliq integra a comitiva portuguesa que está a realizar uma missão empresarial a Reiquejavique, na Islândia, com o intuito de estreitar as relações bilaterais com aquele país.
A startup tecnológica caldense foi convidada pela Direção-Geral de Política do Mar para um conjunto de reuniões com parceiros públicos e privados daquele país, e também para visitas a unidades de processamento de pescado e de biotecnologia.

Durante a visita, a startup que se destaca pelo pioneirismo na área da rastreabilidade digital no setor alimentar, vai poder apresentar o seu mais recente projeto, denominado Big Eye Smart Fishing. Trata-se de uma plataforma digital revolucionária na gestão de frotas de pesca em tempo real que permite acompanhar todas as operações realizadas no mar e em terra, permitindo assim conhecer todo o percurso do alimento desde o mar até ao prato.
A 16 e 17 de Outubro a BitCliq vai também apresentar este produto na Conferência Internacional de Pescarias de Atum com Salto-e-vara. Neste certame os líderes mundiais da pesca de atum com salto-e-vara e linha de mão vão partilhar as melhores práticas e discutir soluções para o sector.
A Bitcliq foi fundada em 2013 por Pedro Manuel. Foi vencedora do concurso Elevator Pitch 2016 na categoria de projetos consolidados, atribuído pela Representação da Comissão Europeia em Portugal, e é finalista do prémio FLAD/EY 2017. Atualmente, encontra-se na final da competição de empreendedorismo FISH 2.0, na qual irá, no próximo mês de Novembro, defender o projecto Big Eye Smart Fishing na Universidade de Stanford, na Califórnia (EUA).