Flor do Vale celebra 10 anos e prepara-se para lançar um novo produto

0
726
Vítor Silva, ladeado pela filha, Carolina, e a esposa, Florbela, junto dos produtos que confeccionam

O requeijão, feito de forma artesanal, irá juntar-se a um portefólio que conta já com 25 produtos

Há 35 anos o casal Jorge e Florbela Silva aventurava-se no negócio da produção de leite de vaca. Com nove animais produziam diariamente cerca de 100 litros de leite na Vacaria do Valado, situada no Valado de Santa Quitéria na freguesia de Alfeizerão. Com o passar dos anos foram aumentando o número de animais e, como Florbela gostava muito de fazer queijos e tinham a matéria prima, começaram a transformação de parte do leite produzido, de forma artesanal. Surgia, assim, em 2014, a Flor do Vale. Nessa altura já eram produzidos cerca de seis mil litros diários e o objetivo era de transformar 500 litros em queijo, com a empresária a confecioná-los e um funcionário a fazer a venda. “Passados três meses já estávamos a transformar 1500 litros diários de leite de vaca em queijo e tínhamos quatro funcionários na rua”, conta Carolina Silva, 26 anos, responsável pelas vendas e gestão da empresa familiar, que trabalha com o pai, o responsável pela produção do leite, e com a mãe, que garante a produção de queijo.
Em 2017, e após o pedido dos consumidores e clientes por um produto diferente, começaram a produzir queijo de cabra. Também neste caso garantem todo o processo. Começaram por comprar 70 cabras, que entretanto já aumentaram para 150, à ordenha.
“Neste momento o nosso portefólio tem queijo de vaca e de cabra e apenas produzido com leite de produção própria”, explica Carolina Silva, acrescentando que o objetivo da empresa passa por “não comprar um litro de leite fora, mas trabalhar apenas com o que é produzido por nós”. Com um efetivo de 500 vacas, das quais 200 à ordenha, a produção de queijo consome diariamente 3500 a 4000 litros de leite. A gama de oferta é composta 25 produtos, entre o queijo amanteigado e o queijo de corte de fatia, passando por queijos com sabor a orégãos, tinta de choco e a salsa e os queijos frescos, bem como o leite do dia. A comemoração do 10º aniversário da marca, que teve lugar a 18 de maio, foi aproveitada para lançar a nossa nova imagem do leite do dia, de cabra e de vaca e do queijo misto de vaca e cabra.
A Flor do Vale planeia, durante ainda este ano, fazer obras de ampliação para começar a produzir requeijão.
Outro dos objetivos passa por abrir as portas da empresa para visitas de escolas ou famílias, dando-lhes a conhecer todo o processo, desde a alimentação do vitelo e da vaca à ordenha e confecção dos queijos, e a realização de workshops de queijo e degustação dos produtos.

Expansão para mercados gourmet
O negócio, que se mantém familiar contando já com a colaboração das duas filhas (uma delas a tempo inteiro) e um genro, possui 26 funcionários. Começaram a comercialização num raio de 50 quilómetros, mas atualmente têm três carros na rua, diariamente, a fazer distribuição entre Leiria e o Cadaval, Bombarral. Desde há três anos têm vindo a expandir para outros mercados, pelo país, onde o cliente procura um produto gourmet, mais diferenciado e vindo do produtor.
“O nosso objetivo não é aumentar a produção de forma a tornar-nos industrializados, mas valorizar o produto dentro dos mercados que já trabalhamos”, explica Carolina Silva.
A jovem, licenciada em Gestão de Empresas e a frequentar o curso de Liderança de Empresas, considera que o português é um bom consumidor de queijo, no entanto encontra duas realidades distintas. Por um lado, há quem tende a escolher “mais cuidadosamente o produto, por motivos económicos, e por outro, o consumidor que quer um produto com qualidade e não se importa de pagar essa diferenciação”, especifica.
A Flor do Vale assinalou o aniversário com um convívio, onde juntou cerca de 350 pessoas, entre clientes, autarcas e entidades parceiras. Houve duas visitas à queijaria e um showcooking com o chef Rui Lopes. ■