A modernização da linha do Oeste a norte das Caldas da Rainha é o principal projecto na região contemplado no Plano Nacional de Investimento 2030.
A electrificação e modernização do troço Caldas da Rainha – Louriçal e a duplicação do ramal de Alfarelos (que aumenta a capacidade da infraestrutura entre Caldas e Coimbra) estão incluídos num conjunto de estudos e projectos que visam aferir a viabilidade do reforço da densidade da Rede Ferroviária Nacional.
Este plano prevê um investimento total de 235 milhões de euros num horizonte temporal entre 2021 e 2030. Curiosamente, o plano não menciona a electrificação e modernização da linha do Oeste entre Meleças e Caldas da Rainha, que está previsto no âmbito do Ferrovia 2020, mas que aparentemente está esquecido pois o ministro Pedro Marques prometeu que o concurso seria lançado em 2018, mas tal nunca chegou a acontecer.
Mas no PNI2030 a linha do Oeste é ainda contemplada no programa de sinalização e implementação dos sistemas ERTMS/ETCS, para a gestão de tráfego ferroviário, e GSM-R, para telecomunicações. Este programa tem um custo de 270 milhões de euros e será para aplicar até 2030. Além da linha do Oeste, será aplicado nas linhas do Minho, Douro, Norte, Leste, Sintra, Cintura, Sul e Alentejo, Ramal de Alfarelos e CCO do Porto e de Lisboa.
O Oeste viu ainda contempladas duas obras rodoviárias, no âmbito do programa de valorização de área empresariais, nomeadamente a variante de ligação à EN248, em Arruda dos Vinhos, e a ligação à A8 nas Palhagueiras (Torres Vedras). Este é um conjunto de 11 projectos com dotação de 110 milhões de euros, para aplicar até 2030.
Com este plano de investimentos públicos para os próximos 10 anos, o governo estima aplicar mais de 20 mil milhões de euros nas áreas da mobilidade e transportes, ambiente e energia, com projectos acima de 75 milhões de euros.
Grande parte dos investimentos estão direccionados à introdução e melhoria de transportes públicos de nova geração nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, e ainda em cidades com populações superiores a 100 mil pessoas.

PSD QUERIA MONTE REAL NO PLANO

A distrital de Leiria do PSD reagiu a este plano de investimentos do governo, considerando “lamentável” que o plano não contemple a requalificação “urgente” do IC2 e no IC8. Os social-democratas dizem-se ainda “perplexos” pela omissão da abertura da base aérea de Monte Real à aviação civil, “hipótese, que a nosso ver, deveria ter sido incluída como prioridade nacional”, refere em comunicado a distrital de Leiria.
No campo rodoviário, de notar ainda a ausência do PNI2030 a construção do IC11, com o qual os autarcas de Peniche, Lourinhã, Torres Vedras e Arruda dos Vinhos querem ver os seus concelhos ligados.