Parque de Negócios de Alcobaça abre as portas e desafia empresários a apostarem no turismo

0
622

Inaugurado no passado dia 8 de Junho, o Parque de Negócios de Alcobaça resulta de um investimento de 382 mil euros (164 mil dos quais financiados por fundos comunitários) e permitiu a criação de 50 postos de trabalho. Um número que se espera aumentar em breve, com o crescimento do call center que ali se instalou (que entre os seus 30 colaboradores conta com dez utentes do Centro de Educação Especial, Reabilitação e Integração de Alcobaça) e do centro incubador de empresas criado pela autarquia, que decidiu ainda transferir para o novo equipamento o Gabinete de Apoio ao Empreendedor.
Criado no edifício das antigas oficinas da autarquia, o Parque de Negócios pretende ser um espaço de crescimento e consolidação de novas empresas, dedicadas sobretudo ao sector da animação e divulgação turísticas. Pelo menos é essa a vontade do presidente da Câmara de Alcobaça, Paulo Inácio, que na inauguração do equipamento manifestou o desejo de que os jovens empresários “agarrem esta oportunidade e nos ajudem a resolver um problema gravíssimo que temos na nossa comunidade, que é a desertificação do centro histórico”.
O autarca diz que se tem verificado uma “incapacidade para apanhar a grande massa humana turística” que visita diariamente o Mosteiro de Alcobaça e que o centro histórico da cidade “bem está a precisar de uma estratégia e de uma visão turística”. Na sua opinião, há que apostar nos produtos regionais como elemento diferenciador do comércio local e direccionar para os turistas o alvo dos negócios.
Já o secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamento do Território, Pedro Afonso de Paulo, salientou a importância das actividades económicas sustentáveis nos dias de hoje, defendendo que “precisamos de um modelo de desenvolvimento mais sustentável, de base local, de novos produtos e novas tecnologias”. Elogiou, por isso, a aposta da autarquia num espaço onde se fomenta o empreendedorismo e onde uma parceria com o IPL assegura a ligação do sistema científico e do saber às empresas.
Enquanto não se confirmam as suspeitas de existência de petróleo em Alcobaça, Pedro Afonso de Paulo salientou a importância de se apostar no que diz ser o “petróleo verde”, o território, a agricultura, as tecnologias na área do ambiente e das energias renováveis, “um petróleo que foi sempre inesgotável desde que existe Portugal, que são os portugueses e as pessoas”. E o novo Parque de Negócios de Alcobaça vem “justamente apoiar e criar as condições para que esse petróleo tenha muito futuro. Um futuro não só para as pessoas que aceitam arriscar e empreender, mas também para a região e para o país”.
Na cerimónia de inauguração do novo espaço houve ainda oportunidade para Luís Vale, do IAPMEI, deixar a promessa de apoio e apelar à união entre as seis empresas que ali se instalaram, que devem aproveitar as sinergias permitidas pela conjugação de empresas num mesmo espaço. A promessa de apoio foi também deixada pelo presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Norberto Pires. “Este é o tipo de projectos que o Mais Centro gosta de apoiar, pois cria valor, mais-valias, emprego e ajuda a fixar pessoas”, disse o responsável, elogiando a aposta na diferenciação feita desde logo, pelo foco nas actividades turísticas.
Norberto Pires disse ainda que na distribuição dos fundos do actual quadro comunitário, que termina em 2013, “vai haver um reforço muito sério do sistema de incentivos a empresas, um reforço da formação profissional, e tudo o que tem a ver com iniciativas de auto-emprego”.

Joana Fialho
jfialho@gazetadascaldas.pt