PME Excelência 2021 do Oeste faturaram 475,5 milhões

0
53

Número de empresas com o estatuto na região cresce de forma contínua desde 2015

A edição 2021 do estatuto PME Excelência galardoou este ano 133 empresas no Oeste, mais 26 do que na edição anterior, o que significa um crescimento de 24,3% no número de empresas a conseguirem este estatuto que distingue as empresas com melhores prestações de entre as PME Líder.
As 133 empresas são um novo recorde para a região, que de ano para ano tem visto mais empresas receberem o estatuto de PME Excelência. De resto, este número cresce de forma ininterrupta nas últimas seis edições desta iniciativa do IAPMEI e do Turismo de Portugal. Na edição 2015, a região teve 51 empresas distinguidas com este selo. No espaço de seis anos, o número mais do que duplicou. Na edição de 2020 foi ultrapassada, pela primeira vez, a barreira das 100 empresas. A curva de crescimento tem-se acentuado nos últimos anos, o que é sinónimo tanto da dinâmica económica da região, como da relevância que o estatuto tem para as empresas, na sua diferenciação num mercado cada vez mais concorrencial, a nível interno, mas sobretudo a nível externo.
Em conjunto, o grupo de 133 empresas representou um volume de negócios de 475,6 milhões de euros, o que representou uma descida de 0,21% em relação ao que estas empresas tinham faturado em 2020. Quando comparado com o grupo do ano passado, houve igualmente um recuo, de uma média de 3,8 milhões de euros por empresa, para 3,57 milhões de euros, menos 6,1%, indicadores que revelam parte das dificuldades causadas pela pandemia, embora revele também resiliência das empresas a esse grande obstáculo para a economia em particular.
Apesar destas dificuldades levantadas pela pandemia à economia nacional e internacional, as empresas PME Excelência 2021 do Oeste foram capazes de continuar a gerar valor e riqueza para si próprias e para a região. O conjunto das 133 empresas geraram resultados líquidos positivos de 50,5 milhões de euros, com uma média de 0,38 milhões de euros por empresa, abaixo dos 0,42 milhões de euros que foi a média do grupo do ano passado. De assinalar, ainda, que o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu os 78,3 milhões de euros, mais 8,7 milhões de euros do que o grupo do ano passado. ■