Receitas do alojamento no Oeste crescem ao dobro do ritmo das dormidas

0
868
A actividade do turismo continuou a crescer em 2018 no Oeste, tanto ao nível das dormidas, como do número de hóspedes e das receitas de alojamento, segundo dados do INE. O sector aumentou as suas receitas para perto de 80 milhões de euros, mais 13% que em 2017, o dobro do que se verifica com as dormidas.

O turismo na região Oeste não só está a crescer, como também se está a valorizar. Esta é a conclusão que se retira da análise dos dados do INE em relação aos dados do turismo de 2018.
Os estabelecimento de alojamento do Oeste atingiram no ano passado os 78 milhões de euros em receitas, mais 8,9 milhões de euros do que em 2017, com um crescimento de 12,9%.
O incremento é mais do dobro do verificado nas dormidas, que aumentaram 6,4% na região, para um total de 1,3 milhões. Estas dormidas foram repartidas por 651 mil hóspedes, mais 7,2% do verificado em 2017. A estada média continua muito próxima das duas noites por hóspede.
Óbidos continua a ser líder neste sector e viu as suas receitas aumentarem 14,6%, ou seja, a um ritmo superior à média do conjunto dos 12 municípios da região. Óbidos ultrapassou a barreira dos 21,5 milhões de euros nas receitas de alojamento, mais de um quarto do total da região, com cerca de 250 mil dormidas, praticamente um quinto do total de dormidas da região.
Caldas da Rainha é o quinto concelho com mais receita de alojamento, tendo ultrapassado os 7 milhões de euros com um crescimento de 4,9%. O número de hóspedes subiu 2,3% e as dormidas 2,7%.
Entre Óbidos e Caldas então Torres Vedras (18,5 milhões de euros), Peniche (11,5 milhões de euros) e Nazaré. Peniche foi o que registou um crescimento mais acentuado, com as receitas a subirem 30,6%, o que significa que este foi um mercado que se valorizou bastante. É que o número de hóspedes e de dormidas cresceram, respectivamente, 8,8% e 4%.

Alojamento Local cresce mais

Os dados do INE permitem confirmar igualmente o crescimento que se vem verificando no alojamento local. A hotelaria ainda absorve a maior parte dos hóspedes, 74%. No entanto, o conjunto do Alojamento Local e do Turismo Rural cresce a um ritmo superior. O número de hóspedes neste tipo de estabelecimento cresceu acima dos 11%, enquanto na hotelaria se ficou pelos 5,8%.
Ao nível da estadia média os dois tipos de estabelecimento estão equiparados, com de duas noites por hóspede na região. No entanto, nas Caldas da Rainha o Alojamento Local retém os clientes por mais tempo, com uma média de três noites.
Ao nível das receitas, a hotelaria representa 79% dos proveitos e cresceu 5,1%, enquanto o Alojamento Local subiu os rendimentos em 10,2%.
Também reflexo da aposta no sector do turismo, foi o aumento do número de camas na região, das 9674 para 10477.
Peniche continua a ser o concelho com mais capacidade hoteleira, aproximando-se das 2000 camas, seguindo-se Óbidos (1861), Torres Vedras (1667), Nazaré (1455) e Caldas da Rainha (1392). Quase todos os concelhos viram aumentada a sua capacidade hoteleira, menos Torres Vedras, Caldas da Rainha e Arruda dos Vinhos.