Um sector que coloca a região e o país na vanguarda

0
1099

Este é o retracto da cutelaria da nossa região, que reúne empresas de referência num sector que vive um momento de grande afirmação em termos nacionais e internacionais. Desde há quase dois séculos que a arte de criar facas e canivetes se pratica neste território, que representa mais de um terço de volume de negócios de todo o sector a nível nacional e se afirma como um grande cluster industrial, conseguindo, ao mesmo tempo, aliar essa capacidade a um olhar mais artesanal, com projectos de grande relevo para a actividade.
É no eixo Santa Catarina-Benedita que se concentram as maiores empresas de cutelaria da nossa região, capazes de criar produtos que vingam nos mercados internacionais mais exigentes. Só este território vale mais de mil postos de trabalho e, segundo os últimos dados disponíveis, vale qualquer coisa como 30 milhões de euros. Na última década registou-se um forte incremento desta actividade económica, tendo as empresas desta região quase duplicado o volume de negócios e desenvolvimento investimentos de modernização avaliados em 8 milhões de euros. Esta região, porém, não se confina às grandes indústrias, pois permanecem no terreno, nomeadamente nas Caldas, bons exemplos de cutileiros que desenvolvem iniciativas marcantes e que conseguem trabalhar para nichos de mercado. Há cerca de dois anos, a Associação Empresarial da Região Oeste (AIRO) uniu-se às Câmaras de Caldas e Alcobaça, às Juntas de Santa Catarina e da Benedita e a várias empresas daqueles territórios para marcar uma marca identitária deste sector. O logótipo da marca “Cutelarias de Santa Catarina e Benedita” foi desenvolvido por Inês Ferreira, uma jovem natural de Rio Maior que venceu o concurso promovido pela AIRO. A entidade foi responsável pelo registo da marca, servindo de “ponte” entre todas as empresas. E assim se desbravam novos caminhos neste sector que está na vanguarda e assim pretende continuar por muitos e bons anos

Ano de fundação: 1954
Funcionários: 182
Volume de negócios:
9,15 milhões de euros
Exportação: 92%

História: A IVO Cutelarias é uma empresa familiar, fundada em 1954, em Santa Catarina pelo acto empreendedor do Sr. João Ivo e sua esposa D. Maria das Dores, ambicionados pelo mundo da cutelaria naquela época, decidem criar uma pequena “oficina” com três empregados. Iniciam a sua actividade com a produção de canivetes e navalhas, que eram na altura comercializadas por todo o país pela mão do próprio Sr. João Ivo.
Mais tarde na década de 70, a visão de negócio ultrapassou o mercado nacional, iniciando a expansão internacional da empresa.

 

Ano de fundação: 1972
Funcionários: 40
Volume de negócios:
1,6 milhões de euros
Exportação: 50%

História: A Nicul tem como missão a produção e comercialização de cutelarias de uso doméstico e profissional de alta qualidade desde 1972.
Assumimos a diversidade, qualidade dos produtos por nós fabricados, capacidade de adaptação às novas exigências legais e às diferentes necessidades dos consumidores como meio de entrada e reforço da posição no mercado, visando sempre a satisfação do cliente.
Num sector como a cutelaria, onde o design e os materiais clássicos predominam há décadas, a Nicul considera que a escolha criteriosa das matérias-primas, modernização de equipamentos, como o corte a laser e o tratamento sub-zero, a inovação, a atualização de técnicas de fabrico, motivação, formação e controlo de qualidade permitem uma renovação e perfeição do produto.

Ano de fundação: 1977
Funcionários: 40*
Volume de negócios:
1 milhão de euros*
Exportação: 50%*

História: Constituída em 1977 e inicial­mente estruturada para responder às necessidades do mercado regional, a Curel com o decorrer do tempo viu alargada a sua área de actuação quer a nível nacional quer a nível internacional.
As solicitações do mercado nacional e internacional levaram à realização de investimentos para ampliação e modernização tecnológicas, aumentando a sua capacidade de resposta e a sua competitividade através de economias significativas.

* dados de 2016

Ano de fundação: 2008
Funcionários: 3
Volume de negócios:
270 mil euros
Exportação: 25%

História: Criado pelo casal Carlos e Filipa Norte em 2008 para vender facas da CIOL e dos artesãos das Relvas, tem uma unidade produtiva artesanal e uma loja online onde se vendem todas as marcas nacionais, as mais conceituadas a nível internacional e as facas de autor.
A boa apresentação, a facilidade de utilização, navegação e compra do site são alguns dos pontos fortes do site, assim como a comunicação personalizada, via chat. Depois acrescentam-se os serviços de afiação e gravação, que são mais-valias de uma loja online do fabricante para o consumidor.

Ano de fundação: 1968
Funcionários: 57
Volume de negócios:
4,5 milhões de euros
Exportação: 60%

História: A Sicoeste foi fundada em 1968 numa localidade perto de Benedita, sendo transferida em meados dos anos 70 para novas instalações em Benedita. Conta actualmente com cerca de 57 colaboradores nas áreas de produção, comercialização, administração, investigação e desenvolvimento. As constantes actualizações que temos implementado ao longo dos tempos, permitem que neste momento detenhamos uma moderna área de produção robotizada, de 8000 m2, onde se destacam as tarefas de corte, amolação, polimento e injecção, executadas por máquinas da mais recente inovação tecnológica como é exemplo as CNC, Laser e Ecodrive Machine, e um serviço comercial inovador com um rigoroso controlo de stocks que permite processar encomendas de forma rápida e fiável.

Ano de fundação: 1966
Funcionários: 189*
Volume de negócios:
8,9 milhões de euros*
Exportação: 80%*

História: A empresa tem a sua origem em 1929, quando Joaquim Jorge (avô do actual presidente do Conselho de Administração, Nuno Radamanto) e dois irmãos começaram a produzir os primeiros canivetes e facas feitas à mão.
Em 1940 iniciaram uma actividade conjunta com o nome de família, mas essa ainda não era a ICEL, que surgiria cinco anos depois, em 1945, quando já empregavam na sua oficina 25 pessoas.
A Indústria de Cutelarias da Estremadura Lda. (ICEL) começou por se instalar na Ribafria e mudou-se para a actual localização, na Avenida Padre Inácio Antunes, há mais de 50 anos, em 1966.

* dados de 2018

Ano de fundação: 1983
Funcionários: 96
Volume de negócios: 3 milhões euros
Exportação: 98%

História: Fundada em 1983 por pessoas com larga experiência no ramo, JERO é uma empresa Portuguesa de capitais privados cuja missão é a produção de cutelarias segundo elevados padrões de qualidade e fiabilidade, garantindo a satisfação dos colaboradores e da sociedade. A dinâmica actual da empresa assenta em valores como inovação, Design, selecção criteriosa de matérias primas, qualidade final, competências dos seus serviços e preservação do meio ambiente. Adequando os seus produtos às necessidades do mercado, pretende alcançar o reconhecimento e plena satisfação dos seus clientes. O que se tem vindo a verificar pela fidelidade dos mesmos ao longo dos anos.