Alunos da EHTO criaram pratos inovadores para PACT

0
957
Treza finalistas de Técnicas de Cozinha e Pastelaria foram postos à prova

Os alunos desenvolveram propostas gastronómicas inovadoras com produtos endógenos

“Sobremesa Ruy Belo” sem glúten e lactose, inspirada no poema “Missão das Folhas” do escritor que partilha as raízes rio-maiorenses com a aluna Joana Silva. “Macaron entre Marés” recheado com caramelo salgado feito com salicórnia da Lagoa de Óbidos, coberto com alga em pó, que Catarina Veiga pretendeu que “viesse no futuro a ser associado à praia da Foz do Arelho”. Ou ainda a “Barca da Lagoa”, um prato de arroz de lingueirão acompanhado por um crocante daquele molusco, da autoria de Hugo Dias.
Estes foram alguns dos 22 produtos gastronómicos desenvolvidos pelos 13 finalistas do curso de Técnicas de Cozinha e Pastelaria, no âmbito das PACT – Provas de Avaliação de Competências em Turismo, que foram apresentadas entre 14 e 16 de junho.
“Os alunos, este ano letivo, foram desafiados a inovar e a trabalhar sob o tema ‘Gastronomia no Turismo do Oeste’. Três das propostas apresentadas são diretamente relacionadas com a Foz do Arelho e as restantes foram inspiradas por artistas, produtos endógenos, épocas, cidades do Oeste e doces regionais”, contou a Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, que, em maio, organizou um Laboratório de Sabores no Centro Social e Recreativo da Foz do Arelho para testar o acolhimento dos produtos pelo público.
Na prova de caráter transdisciplinar, os alunos demonstraram formalmente os conhecimentos, atitudes e competências técnico-profissionais adquiridos ao longo do percurso formativo, tendo em atenção os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.
O júri da prova foi composto por professores, “várias instituições locais e convidados especiais”, entre os quais a Gazeta das Caldas. “As propostas apresentadas podem tornar-se novos produtos e menus de restaurantes e pastelarias. E é nesta relação entre Empresas e Escola que é possível potenciar a criação de valor das primeiras a médio e longo prazo”, concluiu a EHTO. ■