Politécnico de Leiria abre polo de saúde em Torres Vedras

0
370
A cerimónia foi presidida pelo secretário de Estado, João Sobrinho Teixeira | DR

O polo da Escola Superior de Saúde (ESSLei) em Torres Vedras vai arrancar no próximo ano letivo, disponibilizando numa primeira fase, os cursos Técnicos Superiores Profissionais (TeSP) de Alimentação Saudável; Estética, Cosmética e Bem-Estar; e Secretariado Clínico, que atualmente funcionam no Núcleo de Formação de Torres Vedras. Será reforçado com mais um TeSP a registar na DGES e com uma ou duas turmas de mestrado que ainda carecem de autorização da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES). Neste ano letivo serão preparados cursos de licenciatura para submissão ao processo de acreditação pela A3ES, de modo que possam entrar em funcionamento em Torres Vedras no ano letivo 2022/2023.

Polo arranca no próximo ano letivo com três cursos

O polo irá funcionar no antigo edifício dos SMAS de Torres Vedras onde, no passado dia 9 de dezembro, foi celebrado o protocolo de cooperação entre o Politécnico de Leiria e a autarquia. Durante a cerimónia o presidente da Câmara, Carlos Bernardes, destacou que, com este polo pretende-se “reforçar a posição de Torres Vedras enquanto cluster da Saúde” e captar estudantes da região Oeste e da Área Metropolitana de Lisboa. O autarca destacou como atrativos a qualidade e custo de vida que ali poderão encontrar, assim como facilidade de deslocação, tendo em conta as vias de comunicação existentes ou em fase de reestruturação, como é o caso da eletrificação da Linha do Oeste.
Este ano letivo o Núcleo de Formação em Torres Vedras tem mais de 200 alunos a frequentar os cursos TeSP e a expetativa é a de que o novo polo possa permitir um aumento no número de estudantes.

Alcobaça diz estar a negociar investimentos com IPL

Presente na cerimónia, o presidente do Politécnico de Leiria, Rui Pedrosa, referiu que o investimento estratégico do IPL na área da Saúde em Torres Vedras “é uma evolução natural tendo em conta o forte cluster da Saúde já existente” e pelo fato de ali já haver formação nesta área. Em nota de imprensa o responsável realçou ainda o forte investimento que o município está a fazer e destaca que a criação formal de um polo de ensino superior em Torres Vedras na área da Saúde com formação ao nível de licenciatura e de mestrado, para além dos cursos TeSP já em funcionamento, “constitui também um elemento central de suporte ao atual e futuro Centro Hospitalar do Oeste”.
O secretário de Estado, João Sobrinho Teixeira, reconheceu a cooperação entre o IPL e a autarquia.

Caldas e Alcobaça reagem
À Gazeta das Caldas, o presidente da Câmara das Caldas, Tinta Ferreira, diz não ter “nada a opor” relativamente à nova oferta de ensino superior em Torres Vedras, “tendo em conta a estratégia de afirmação do alargamento geográfico do Politécnico de Leiria”.
No entanto, considera que deve “existir um outro polo de ensino de saúde nas Caldas, dada a existência de um polo hospitalar de referência regional”.
Já o homólogo de Alcobaça, Paulo Inácio, refere que este município “tem mantido e manterá seguramente um regime de abertura e diálogo institucional e salutar” com o IPL e acrescenta que já foram dados “passos decisivos” nesse sentido. Tendo em conta que as instituições de ensino superior se deparam com um contexto fortemente concorrencial, numa disputa pelo alargamento do número de alunos, considera “compreensível que o IPL alargue a sua oferta até Torres Vedras, depois de consolidar Caldas da Rainha e Peniche, como forma de estancar a mobilidade dos alunos do distrito para Lisboa”.
Na opinião de Paulo Inácio a “excessiva” proximidade geográfica de Alcobaça em relação a Leiria, torna o IPL uma “referência natural” para os alunos pré-universitários do concelho de Alcobaça, que são milhares. “Porém, sabendo que o IPL se encontra em processo de consolidação da sua oferta em todo distrito, terá, inevitavelmente, de apostar no território de Alcobaça sob pena de aquilo que é dado como certo deixar de o ser”, complementa o autarca, que acredita que aquela escola superior fará justiça aquele concelho. “Estão neste momento em construção alguns processos e projetos. Num futuro breve haverá novidades”, remata.