Alcobacense ganhou bolsa da Compal e já colhe frutos

0
448
Gonçalo Madeira na sua exploração, na Cela, no concelho de Alcobaça

Jovem implementou pomar onde alia tecnologia de ponta a técnicas naturais que reduzem necessidade de utilização de químicos

Gonçalo Madeira, natural da Cela (Alcobaça), foi um dos vencedores das bolsas da Academia Compal do ano passado, no valor de 20 mil euros. Este ano vai colher os primeiros frutos do seu renovado pomar.
O jovem fruticultor, de 23 anos, conta que tomou conhecimento da Academia Compal através da organização de produtores que integra, a Campotec. “Foi uma janela de oportunidade para desenvolver conhecimentos técnicos, porque a academia é muito prática”, realça o jovem, que está a formar-se em engenharia agropecuária.
No ano passado, devido à pandemia, as aulas foram à distância e focaram aspetos como o marketing e a estratégia, como formas de diferenciar o produto. “Gostei muito, interagimos com muita gente, pessoas muito profissionais no ramo da fruticultura”, refere. E acabou por ser um dos premiados com uma bolsa de 20 mil euros, que já aplicou na implantação de 5 hectares de pomar, dos quais metade no ano passado, de onde já vai colher os primeiros frutos, e a outra metade este ano. “Estávamos no arranque da exploração, a verba foi logo entregue, foi um apoio espetacular”, salienta.
O pomar vai ter, nesta fase, capacidade para 250 toneladas de maçã, das variedades Gala, Fuji, Reineta, Granny Smith e Candine.
O jovem fruticultor realça que a bolsa pode ser aplicada “com livre arbítrio na exploração”, o que é uma vantagem. E conta que o que diferenciou o seu projeto foram as técnicas de sustentabilidade, aplicadas de várias formas. O pomar é dotado de espécies ornamentais que permitem criar um ecossistema através da introdução de espécies auxiliares.
“São desde pássaros e insetos que permitem ajudar todo o processo de produção. A interação entre as espécies “amigas” e as “inimigas” garantem o equilíbrio do pomar”, realça Gonçalo Madeira. Este ecossistema permite evitar a aplicação de agroquímicos no controlo de pragas.
Outro aspeto importante foi o investimento em sistemas de precisão e agricultura de ponta, como sistemas de rega automatizados, controlados por sondas no solo, que podem ser monitorizadas e acionadas através de aplicações móveis.
A operação de Gonçalo Madeira, realizada através da empresa Celfrutas, pretende crescer mais 2 hectares no próximo ano. O terreno onde a exploração está instalada tem uma capacidade de 20 hectares e já vem da família, onde os avós e, depois, os pais, também se dedicaram ao cultivo de pêras e maçãs.
Gonçalo Madeira gostou da experiência na Academia Compal e recomenda. “É uma oportunidade muito boa, porque podemos aprender com os erros dos outros, o que é muito mais barato”, graceja. Além disso, o jovem fruticultor realça que há possibilidade, mas não obrigatoriedade de estabelecer de fornecimento à empresa, conhecida pelos sumos néctar, “o que é um aspeto positivo”.
A Academia Compal tem inscrições abertas até julho.