PCP/ÓBIDOS – Querem tirar os correios da vila Óbidos

0
529

Foi anunciado na última Assembleia Municipal, realizada no passado dia 27 de Fevereiro, que os CTT irão encerrar brevemente a estação localizada na Vila muralhada, alegadamente, porque hoje em dia, as juntas de freguesia garantem os serviços de correio às populações. Entretanto, já é visível que há uma empresa privada, fora de portas, a fazer tarefas dos CTT, empresa que até poderá estar ligada a um responsável local do PSD(!), daí então a despreocupação que o Presidente da Câmara e outros demonstraram relativamente a este assunto.
Há muito que os CTT levam a cabo um processo de encerramento de estações e postos de correio, designadamente, nas regiões e localidades mais desfavorecidas do País, onde as populações (maioritariamente idosos) têm maior dificuldade de mobilidade e naturalmente, de acesso a este e outros serviços públicos.
Simultaneamente, os CTT têm-se desresponsabilizado da prestação deste serviço público, com a transferência do mesmo para as juntas de freguesia que, a troco de uma renda, passaram a ter mais esta tarefa. E se, à partida, esta solução aparenta não ser má, é uma realidade que as juntas de freguesia não substituem integralmente os CTT e não podem responder por eventuais situações de deficiente funcionamento dos serviços de correio.
No caso de Óbidos, a decisão de encerrar o posto de correios localizado na Vila, assumido com toda a normalidade pela maioria PSD na Câmara Municipal, afigura-se-nos como muito grave:
Porque, é mais um serviço público que encerra na Vila quando, por vontade do Governo, poderão vir a ser igualmente fechados os serviços de finanças e da segurança social, a troco de um “balcão do cidadão” de responsabilidade do Município que, naturalmente, nunca substituirá integralmente os serviços eventualmente encerrados.
Porque, o posto de correios da Vila serve a população residente mas, também, os muitos turistas que visitam Óbidos.
E, porque, por muito poucos que sejam, são mais postos de trabalho que se perdem no concelho de Óbidos.
O encerramento do posto de correios da Vila, representa um sério prejuízo para a população, para os visitantes de Óbidos e para o próprio Concelho que já anteriormente viram o centro de distribuição do correio passar de Óbidos para as Caldas da Rainha, com consequências negativas ao nível da rapidez na entrega da correspondência.
Os CTT, de que é administrador não executivo, António Vitorino, do PS, decidiram encerrar o posto de correio em Óbidos porque, segundo dizem os seus responsáveis, não tem rentabilidade, mas fizeram com o governo um acordo para prestar outros serviços em 300 balcões por todo País, só porque lhe vai ser entregue dinheiro do Estado para o efeito. Ou seja, os CTT – hoje privatizados! – não estão, minimamente, preocupados com o serviço público que prestam, mas somente com os lucros que obtêm.
A Comissão Concelhia de Óbidos do PCP, considera que o processo de privatização de empresas públicas, levado a cabo pelos sucessivos governos do PS e do PSD, com ou sem CDS, ao longo de anos, tem como consequência a redução da quantidade e qualidade dos serviços prestados às populações, como sempre dissemos que iria acontecer e como por certo se verificará caso o posto de correios seja encerrado.
É preciso lutar contra o encerramento de serviços essenciais para garantir a qualidade de vida da população do Concelho de Óbidos.
Não ao encerramento dos correios da vila de Óbidos!

A Comissão Concelhia de Óbidos do PCP

PCP/ÓBIDOS
Querem tirar os correios da vila Óbidos
Foi anunciado na última Assembleia Municipal, realizada no passado dia 27 de Fevereiro, que os CTT irão encerrar brevemente a estação localizada na Vila muralhada, alegadamente, porque hoje em dia, as juntas de freguesia garantem os serviços de correio às populações. Entretanto, já é visível que há uma empresa privada, fora de portas, a fazer tarefas dos CTT, empresa que até poderá estar ligada a um responsável local do PSD(!), daí então a despreocupação que o Presidente da Câmara e outros demonstraram relativamente a este assunto.
Há muito que os CTT levam a cabo um processo de encerramento de estações e postos de correio, designadamente, nas regiões e localidades mais desfavorecidas do País, onde as populações (maioritariamente idosos) têm maior dificuldade de mobilidade e naturalmente, de acesso a este e outros serviços públicos.
Simultaneamente, os CTT têm-se desresponsabilizado da prestação deste serviço público, com a transferência do mesmo para as juntas de freguesia que, a troco de uma renda, passaram a ter mais esta tarefa. E se, à partida, esta solução aparenta não ser má, é uma realidade que as juntas de freguesia não substituem integralmente os CTT e não podem responder por eventuais situações de deficiente funcionamento dos serviços de correio.
No caso de Óbidos, a decisão de encerrar o posto de correios localizado na Vila, assumido com toda a normalidade pela maioria PSD na Câmara Municipal, afigura-se-nos como muito grave:
Porque, é mais um serviço público que encerra na Vila quando, por vontade do Governo, poderão vir a ser igualmente fechados os serviços de finanças e da segurança social, a troco de um “balcão do cidadão” de responsabilidade do Município que, naturalmente, nunca substituirá integralmente os serviços eventualmente encerrados.
Porque, o posto de correios da Vila serve a população residente mas, também, os muitos turistas que visitam Óbidos.
E, porque, por muito poucos que sejam, são mais postos de trabalho que se perdem no concelho de Óbidos.
O encerramento do posto de correios da Vila, representa um sério prejuízo para a população, para os visitantes de Óbidos e para o próprio Concelho que já anteriormente viram o centro de distribuição do correio passar de Óbidos para as Caldas da Rainha, com consequências negativas ao nível da rapidez na entrega da correspondência.
Os CTT, de que é administrador não executivo, António Vitorino, do PS, decidiram encerrar o posto de correio em Óbidos porque, segundo dizem os seus responsáveis, não tem rentabilidade, mas fizeram com o governo um acordo para prestar outros serviços em 300 balcões por todo País, só porque lhe vai ser entregue dinheiro do Estado para o efeito. Ou seja, os CTT – hoje privatizados! – não estão, minimamente, preocupados com o serviço público que prestam, mas somente com os lucros que obtêm.
A Comissão Concelhia de Óbidos do PCP, considera que o processo de privatização de empresas públicas, levado a cabo pelos sucessivos governos do PS e do PSD, com ou sem CDS, ao longo de anos, tem como consequência a redução da quantidade e qualidade dos serviços prestados às populações, como sempre dissemos que iria acontecer e como por certo se verificará caso o posto de correios seja encerrado.
É preciso lutar contra o encerramento de serviços essenciais para garantir a qualidade de vida da população do Concelho de Óbidos.
Não ao encerramento dos correios da vila de Óbidos!

A Comissão Concelhia de Óbidos do PCP