A Câmara das Caldas e o aumento do preço da água III

1
409

Permita-me, senhor Director, uma réplica à carta do presidente do Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados e presidente da Câmara Municipal de Caldas da Rainha, senhor Fernando Costa, por o assunto ser de importância fundamental para todos os residentes do concelho.
1 – O presidente confirma que houve um aumento e que foi grave no que se refere aos consumidores que gastem mais de 5 metros cúbicos de água por mês. É significativo que escolha ele próprio a palavra “agravamento”.
2 – É pena, no entanto, que não nos diga qual a percentagem dos que vêem o seu consumo “agravado” porque consomem mais de 5 metros cúbicos e qual a dos restantes que só foram beneficiados porque são em menor número.
Um agregado familiar de duas pessoas que não sejam muito idosas e que bebam água e se lavem todos os dias, que cozinhem e que lavem roupa e louça (mesmo que à mão, neste caso) nunca consumirá menos de 5 metros cúbicos. E acredito que há uma percentagem muito significativa de consumidores (com agregados familiares de três e mais pessoas) que gaste muito mais do que isso.
Divulgue esses dados, senhor presidente!
3 – O agravamento do preço não vem apenas do preço da água gasta e o presidente foge da questão como o Diabo da Cruz: é brutal a percentagem que as rubricas “conta trat. esgotos” e “serviços diversos” ocupam na factura da água sem que se perceba para que serve esse dinheiro.
Eu vivo numa freguesia rural (Serra do Bouro) onde as rupturas da canalização pública são frequentes, onde são os próprios técnicos dos Serviços Municipalizados que dizem estarem podres os canos, onde o pavimento fica por reparar depois de cada ruptura. Onde, praticamente, os Serviços Municipalizados não gastam dinheiro nesses “serviços diversos” e no “trat. esgotos”.
Diga-nos, senhor presidente, em que é gasto o dinheiro da metade da factura que vai para essas enigmáticas rubricas!
4 – O presidente invoca outros factores, e até uma possibilidade em jeito de “se cá nevasse, fazia-se cá esqui” de termos todos de pagar ainda mais se os SMAS integrassem a CIMOESTE, para justificar o agravamento.
Preferia, senhor presidente, que nos dissesse – por ser factual e tendo em atenção a sua garantia de que até poupamos no IRS graças à sua acção na Câmara – quantos habitantes do concelho é que são beneficiados pela redução da taxa do IRS que vai para a Câmara por comparação com o número de habitantes do concelho que consomem mais de 5 metros cúbicos de água por mês e que sofrem o agravamento no preço da água que o senhor e os partidos todos nos quiseram impor.

Pedro Garcia Rosado

1 COMENTÁRIO

  1. eu já reparei que estou a pagar MUITO mais. acho que fomos todos enganados pela câmara e pelos partidos. gostava era de saber para que querem eles o dinheiro!