CATÓLICOS DO OESTE | Evangelizar

0
768
Gazeta das Caldas

Dez anos após o Concílio Vaticano II, em 1975, o Papa Paulo VI falou-nos a todos sobre a evangelização no mundo contemporâneo na Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi. Se o tema era fulcral no século XX, por maioria de razão o é no século XXI. E por maioria de razão porque hoje não há tempo, as horas fogem, a informação é muita, ao minuto, e nós não temos minutos.
Mas o que é evangelizar? Diz-nos o Papa Paulo VI: “ Evangelizar, para a Igreja, é levar a Boa Nova a todas as parcelas da humanidade, em qualquer meio e latitude, e pelo seu influxo transformá-las a partir de dentro e tornar nova a própria humanidade.” Recordemo-nos que é preciso homens novos, pelo baptismo, e que vivam segundo o Evangelho. Dir-se-á que a evangelização começa, em primeiro lugar, na mudança interior de cada um de nós. De um processo de consciência pessoal devemos passar de seguida para a acção, para a conversão da consciência colectiva, levando Cristo àqueles que não o conhecem.
E no século do excesso de informação, o como evangelizar, apresenta-se como um problema. Sem dúvida um desafio, que apela à nossa capacidade de imaginação, mas sobretudo à necessidade de nos adaptarmos à descoberta de novas formas de levar Cristo a todos. Os tempos que vivemos são marcados pela falta de tempo para tudo, o que nos obriga a sermos criteriosos e selectivos na informação que escolhemos consumir. Prolifera a televisão especializada, canais temáticos, internet na palma da mão de todos e redes sociais que se adaptam aos nossos gostos. É uma evidência, é um sinal da sociedade no século XXI, é inegável, é por isso necessário à Igreja manter-se no propósito da evangelização adaptando-se a esta realidade. Escrevia o Papa Paulo VI, no século passado, que “o nosso século tão marcado pelos mass media ou meios de comunicação social, o primeiro anúncio, a catequese ou o aprofundamento ulterior da fé, não podem deixar de se servir destes meios…” e continua dizendo que “postos ao serviço do Evangelho, tais meios são susceptíveis de ampliar, quase até ao infinito, o campo para poder ser ouvida a Palavra de Deus, e fazem com que a Boa Nova chegue a milhões de pessoas.” A actualidade destas palavras está mais do que comprovada nos dias de hoje.

Esta realidade faz com que os mais velhos tenham dificuldade em fazer chegar a Palavra de Deus aos jovens. Porém, não podemos esquecer aqui a importância da família, da educação e da catequese, para evangelizar. Mas também não podemos ignorar que jovens de hoje vivem e comunicam entre si de forma diferente e em diferentes plataformas. E como já dissemos, esta realidade faz com que seja muito difícil chegar aos próprios jovens. Então como? Como levar a Palavra aos Jovens no século XXI? Pela graça de Deus, as nossas paróquias têm jovens activos. Jovens esses que também vivem e comunicam de forma diferente, e que poderão facilmente chegar a milhares de outros.
É este o esforço e o empenho que vamos assumindo na Paróquia de Caldas da Rainha, na certeza de que os jovens católicos são os mais indicados e adaptados para chegar a outros jovens, assumindo um papel de evangelizadores de excelência, porque conhecem a linguagem, os medos e anseios, os gostos e vontades dos jovens do século XXI. Relembramos mais uma vez as palavras de Paulo VI a propósito do papel dos jovens na evangelização: “é necessário que os jovens, bem formados na fé e na oração, se tornem cada vez mais os apóstolos da juventude.”
Não esqueçamos que “Toda a Igreja é missionária; a obra da evangelização é um dever fundamental do povo de Deus.”

Marta e Miguel Xavier
Pastoral Juvenil