PAÇOS DO CONCELHO | Imagine

0
1420

Jorge VarelaImaginem que não existe Paraíso.
É fácil se o tentarem.
Nenhum Inferno abaixo de nós.
Acima, apenas o céu.
Imaginem todas as pessoas
Vivendo apenas o presente.

Imagine um 2017 diferente. Diferente no Mundo, na Europa, em Portugal e nas Caldas da Rainha.
Imagine um Mundo sem guerras. Nenhuma razão para matar ou para morrer. Imagine que Trump acalmava as relações entre os Estados Unidos e a Rússia, que tanto têm aquecido nestas últimas semanas de confronto entre Obama e Putin. Imagine, por outro lado, que os líderes mundiais passavam a levar a sério as alterações climáticas e começávamos todos a cuidar melhor do nosso planeta.
Imagine uma Europa Unida. Imaginem que não existem países. Não é difícil de fazer. Imagine que o Reino Unido abandonava a ideia do Brexit e os populismos eram derrotados. Imagine uma Europa solidária em que os mais ricos ajudam os mais pobres e os mais pobres não esbanjam a contar com a ajuda dos mais ricos.
Imagine um Portugal em que se valoriza mais o mérito e o trabalho do que a chico-espertice. Imagine um povo que prefere ouvir a verdade e fazer os sacrifícios necessários do que andar iludido a gastar o que não tem. Não há necessidade de ganância nem de fome. Uma Irmandade de homens. Imagine um país governado por quem ganha as eleições. Imagine que os antigos governantes corruptos são efetivamente punidos sem que as investigações se arrastem durante tantos anos.
Imagine uma cidade que tem o Hospital Termal mais antigo do Mundo e este está efetivamente a funcionar. Imagine as Caldas da Rainha sem buracos nas ruas e nas estradas. Imagine a capital do comércio tradicional com mais e melhores eventos que atraiam cada vez mais pessoas à cidade. Imagine ir das Caldas a Lisboa de comboio em menos de uma hora.

Podem dizer que eu sou um sonhador,
Mas não sou o único.
Espero que um dia se juntem a nós
E o mundo viva como um só.

Para quem pensar que é melhor nem imaginar tudo isto para que a desilusão não seja tão grande, experimente voltar a ler a crónica ao som de John Lennon. Fica muito melhor, não fica?