Cidadão de mérito, homem bom, Presidente da Câmara sempre disponível

0
1094

Faleceu a 4 de Março o antigo Presidente da Câmara das Caldas da Rainha Coronel Monroy.
O Coronel José Jaime Pinto Monroy Garcia, nasceu a 20 de Fevereiro de 1932 em Lisboa e faleceu em 4 de Março de 2017 em Caldas da Rainha, cidade que sempre amou e onde foi Presidente da Câmara na década de 80.
Coronel do Exercito Português, especialista em logística, no seu curriculum Político ressalta ainda o facto de ter sido o primeiro presidente da Comissão Administrativa da Câmara da Marinha Grande.
Homem de Cultura (lembremos o centenário de Raul Proença durante o seu mandato, tendo escolhido para comissário o Dr. Bonifácio Serra), foi um diplomata que consolidou a imagem e a presença do concelho de Caldas da Rainha na Estremadura Espanhola com o Slogam “As Nossas Praias são as Vossas Praias”.

O seu prestigio Pessoal e Institucional era tão grande na vizinha Espanha, dado que dominava na perfeição a Língua Castelhana, que aquando da Inauguração Oficial do Centro Ferial de Dom Benito marcado para as 18 horas, o Governo Regional preparou um acto simbólico, para três horas antes (15 horas), presidido com pompa e circunstância pelo Presidente da Câmara Municipal de Caldas da Rainha, Coronel Monroy, com a presença de todas as individualidades Espanholas e Portuguesas Transfronteiriças.
A sua visão política levou-o a projectar o concelho de Caldas da Rainha, muito para além das nossas fronteiras e internamente dada a sua afinidade militar com o então Presidente da República Ramalho Eanes, conseguiu que o “Mais Alto Magistrado da Nação”, visitasse oficialmente Caldas da Rainha, três vezes no ano de 1984.
Cidadão de mérito, homem bom, Presidente da Câmara sempre disponível para ajudar na solução de problemas, deixou nos trabalhadores do Município um profundo respeito dadas as suas características humanas e de simpatia.
Caldas da Rainha perde uma referência, mas lembrando uma das suas frases preferidas: “O poder só é importante quando se traduz em serviço público útil ao cidadão”.
Tive o raro privilégio de trabalhar com ele no dia a dia, e guardo a imagem de Cidadão de Grande Craveira Moral e Intelectual, por isso endereço à Família os meus sentidos pêsames.

António Marques