Caldas da Rainha e Óbidos estabelecem recorde de candidaturas autárquicas

Nestas eleições há sete candidatos em cada um dos concelhos. PSD tenta preservar poder, mas enfrenta concorrência

Fátima Ferreira, Joel Ribeiro, Joaquim Paulo e Isaque Vicente

A menos de um mês das eleições autárquicas de 2021, a Gazeta das Caldas publica um “Guia do Eleitor”, que apresenta todos os candidatos às Câmaras das Caldas da Rainha e Óbidos, bem como às Juntas daqueles municípios.
Num ato eleitoral em que se quebra o recorde de candidaturas nos dois concelhos, com sete candidaturas autárquicas em Caldas e em Óbidos, passamos em revista os candidatos aos órgãos autárquicos executivos.
A ordenação das candidaturas nos quadros surge como reflexo dos resultados das últimas autárquicas de 2017, assumindo-se nas Caldas da Rainha que a coligação Caldas Mais Rainha toma o “lugar” do CDS-PP nesta ordenação, que integra, por esta ordem, os restantes partidos que concorrem pela primeira vez e os movimentos de independentes.
As autárquicas do próximo dia 26 estão a gerar grande expetativa, não só pelo número elevado de candidaturas, mas também porque, politicamente, há dados novos que podem mexer com o desfecho eleitoral. Salientam-se dois factos: nas Caldas da Rainha, o surgimento do movimento Vamos Mudar, que pretende capitalizar o prestígio do empresário Vítor Marques, que liderava a maior Junta do concelho; em Óbidos, a saída de cena do presidente da Câmara, Humberto Marques, o que obriga, necessariamente, ao eclodir de um novo ciclo político no concelho, em que o PSD pretende continuar a mandar, mas em que a oposição acredita poder destronar.
O “Guia” que o leitor tem nas mãos pretende servir, apenas e tão só, para ajudar os eleitores na hora de decidir o voto. E pode, ainda, assistir aos debates em Óbidos (dia 9) e Caldas (dia 16). ■