CDU quer apostar em infraestruturas básicas em Óbidos em vez de projectos megalómanos

0
969

O trabalho feito em prol da população de Óbidos leva a CDU a acreditar que nas próximas autárquicas conseguirão ter representantes seus nas assembleias de freguesia e municipal, bem como na Câmara. Na apresentação pública da candidatura, que decorreu a 4 de Junho nas Gaeiras, o candidato à autarquia, Rui Raposo, destacou que este último mandato “confirmou que a maioria PSD não é solução para o concelho” e assumiu-se como a verdadeira “alternativa para uma vida mais digna e um concelho mais desenvolvido”.

notícias das Caldas
A CDU de Óbidos apresentou os seus candidatos à Câmara, Assembleia Municipal e a três freguesias do concelho | FF

“Mesmo em minoria, enfrentando as dificuldades, incompreensões e o preconceito dos seus adversários políticos quanto ao funcionamento democrático dos órgãos autárquicos, os elementos da CDU não viraram as costas à defesa intransigente das populações de Óbidos”. Palavras de Rui Raposo, que tendo em conta o trabalho feito, acredita que após as eleições de Outubro a CDU irá contar com mais eleitos naquele concelho.

O candidato teceu algumas criticas ao trabalho desenvolvido pelo executivo PSD, nomeadamente a “ilusão” em que se traduziu o prometido desenvolvimento sustentável de Óbidos. Rui Raposo denunciou o “favorecimento” dos grandes grupos económicos da indústria hoteleira e imobiliária, o “desrespeito pelo património ambiental, no favorecimento de uma política cultural elitista” e o esvaziamento das competências da Câmara pela sua transferência para a empresa municipal Obidos Criativa.
O também deputado na Assembleia Municipal recordou o que se passou com o “megalómano” processo da Escola de Óbidos, referindo-se à descentralização de competências em matéria educativa para o município. Considera que este é um  instrumento de destruição da Escola Pública e que isso levou a Câmara a endividar-se à conta de obrigações que deveriam ser do poder central.
Referindo-se ao PS, Rui Raposo deu nota das contradições que representa a ação desse partido no concelho. Ainda que tenham votado, algumas vezes, no mesmo sentido na Assembleia Municipal, considera que nas matérias substanciais o PS acaba por ter opinião e posição igual ou idêntica à do PSD. “Na Câmara isto tem sido bem notório, podendo dizer-se que o PS não foi, nem é, oposição à maioria”, disse.
Perante cerca de 30 militantes e simpatizantes, o candidato comunista defendeu uma gestão autárquica assente na proximidade às populações, de transparência da administração do município e no respeito pelos direitos dos seus trabalhadores. Esta terá também que assentar no respeito pelos instrumentos de gestão territorial, “não ferindo, nem pondo em causa o património cultural, ambiental e natural do concelho, em favor dos interesses económicos do grande capital e da especulação imobiliária”.
Rui Raposo referiu que deve ser feita uma gestão em conjunto com as políticas do poder central, que promova a fixação de pessoas, favorecendo a economia local, composta por pequenos e médios empresários. Entende que tem que ser dada prioridade ao investimento em novas  infraestruturas básicas e na renovação e modernização das já existentes, como a da rede de distribuição de água e esgotos, “em detrimento de projectos megalómanos e de aproveitamento e rentabilização futura, duvidosos”.
Rui Raposo defende, por outro lado, a concretização dos investimentos que competem ao poder central, nomeadamente a vinda de mais recursos humanos e técnicos necessários à rede dos cuidados de saúde primários do SNS, a conclusão do projecto de preservação da Lagoa de Óbidos e a classificação como Paisagem Protegida de Âmbito Regional, a recuperação do património edificado classificado e o reforço dos meios policiais.
O candidato entende que a autarquia deverá ter também uma participação mais activa na luta pela requalificação e modernização dos Hospitais das Caldas da Rainha e de Peniche, da Linha do Oeste e contra a eventual introdução de portagens no troço da A8, entre o Bombarral e a Tornada e na A15, entre Óbidos e o nó de A-dos-Negros.
A sessão contou com a presença de Ângelo Alves, do Comité Central do PCP, que destacou o percurso dos candidatos e a sua entrega à causa pública. O dirigente comunista reforçou que a CDU é a verdadeira alternativa para defender os interesses da população e desenvolver o concelho de forma “justa e equilibrada”.

“As pessoas contactam-nos a pedir ajuda”

No mandato que está prestes a terminar a CDU elegeu representantes na Assembleia Municipal e nas assembleias de freguesia das Gaeiras e do Olho Marinho. Para as próximas autárquicas candidata a investigadora Sílvia Correia (41 anos) como cabeça de lista à Assembleia Municipal, António Ribeiro (72 anos), à Junta de Freguesia das Gaeiras, Hélio Santos (44 anos) à Junta do Olho Marinho, e José Marques Leal (61 anos) à União de Freguesias de Santa Maria, S. Pedro e Sobral da Lagoa.
Sílvia Correia referiu que a CDU tem vindo a dar voz activa aos problemas reais da população e exemplificou que na Assembleia Municipal tomaram posição na defesa da escola pública e contra o contrato de educação de transferência de competências para as autarquias.
“Denunciámos e exigimos mais médicos para os centro de saúde do concelho, assim como de outros profissionais que visem a melhoria do SNS”, disse, acrescentando que também defenderam a água como um bem público, que não deve de ser privatizado.
A CDU tem-se ainda debatido pela defesa do ambiente, como é o caso da “extracção ilegal” na pedreira dos Currais Novos no Olho Marinho, o problema das infestações de moscas, dos rebentamentos na pedreira de gesso da Avarela e do impacto ambiental negativo provocado pela construção de novos resorts e campos de golfe no Bom Sucesso. Sílvia Correia destacou que também têm tentado resolver outras situações, como a legalidade de abertura de pecuárias, entrada em funcionamento do regulamento de trânsito na vila e os problemas nas escolas.
“As pessoas contactam-nos a pedir ajuda na resolução dos seus problemas, o que significa que sabem que podem contar connosco”, disse a candidata.
Já António Ribeiro, candidato à Junta das Gaeiras, prestou contas do trabalho que os eleitos da CDU têm feito naquela Assembleia de Freguesia e disse que nos últimos 16 anos a Câmara tem “feito muito pouco” por esta freguesia.
Entre as suas prioridades estão a concretização de um plano de urbanização para a freguesia, melhoria nas estradas, criação de um circuito de manutenção junto ao Convento de S. Miguel, assim como a definição do uso do antigo convento.