Concelhia caldense do Chega demite-se em bloco

0
315
Edmundo Carvalho a discursar no primeiro plenário distrital do Chega, que decorreu nas Caldas (Arquivo)

Divergências com o deputado, e atual cabeça de lista por Leiria, e silêncio da estrutura nacional ditaram a decisão

A concelhia do Chega das Caldas assinou, a 13 de fevereiro, o pedido de demissão que, cinco dias depois, foi enviado aos orgãos distrital e nacional do partido. “Neste momento não há concelhia do Chega nas Caldas”, explica o presidente demissionário, Edmundo Carvalho, fazendo notar que, até ao momento, não receberam qualquer contacto por parte das estruturas distrital e nacional.
Esta tomada de posição surge na sequência da decisão da direção nacional do Chega em recandidatar Gabriel Mithá Ribeiro como cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Leiria, contrária à recomendação dos órgãos concelhios e distrital de Leiria. “Durante dois anos esse senhor [Gabriel Mithá Ribeiro] desrespeitou os órgãos representativos do partido, não fez uma única ação de campanha acompanhado destes órgãos”, denuncia Edmundo Carvalho, acrescentando que o deputado, nas ações pelo distrito andava apenas acompanhado pelos seus apoiantes.
A estrutura nacional achou por bem manter a mesma candidatura e, nas Caldas, “reunimos há cerca de um mês e decidimos que não iriamos manter esta situação por mais quatro anos”, explica, dando nota do “desconforto”, enquanto presidente da concelhia, em saber que o deputado vem às Caldas ele não tem conhecimento nem é convidado a acompanhá-lo. Ainda assim, garante que fizeram uma “proposta de reconciliação, entre a distrital, o candidato e os órgãos nacionais”, mas sem obter qualquer resposta.
Edmundo Carvalho, que é militante do Chega desde 2019, também se demitiu de vice-presidente da distrital. No entanto, continua na lista do Chega às próximas legislativas pelo círculo eleitoral de Leiria. Reconhece que é um “contrassenso” mas diz que está em quinto lugar na lista e tem a noção que a anulação da sua participação, “implica um processo de substituição de elemento, que tem de ser entregue no tribunal e aceite, atrasando o processo a poucas semanas das eleições”.
Apesar de não concordar com a ação política de Gabriel Mithá Ribeiro, “que era individual e que não representava o grosso dos militantes do Chega, acho que foi bastante ativo no distrito”, reconhece Edmundo Carvalho, que desconhece se, depois, apresentou propostas na Assembleia da República. O militante, que foi candidato nas Caldas nas últimas autárquicas, não sabe o que o futuro lhe reserva, pois desconhece como o “partido vai reagir”. Diz que já estavam a planear, para depois das férias de verão, começar a preparar as eleições autárquicas e que embora ainda não estivesse definido, “provavelmente seria o candidato”, conclui.
Vasco Morgado que era vice-presidente da concelhia, adjunto da distrital e conselheiro nacional do partido, também se demitiu de todas as funções.
Gazeta das Caldas tentou obter um comentário da direção do Chega, mas não obteve resposta até ao fecho da edição. ■