Óbidos quer a manutenção das valências no Hospital das Caldas

1
448

Óbidos quer manter uma politica de proximidade na saúde. A posição foi defendida pelo vereador Ricardo Ribeiro (PSD) na reunião de 6 de Março, no Ministério da Saúde, que juntou os autarcas os Oeste e a tutela.
O autarca entende que esta reestruturação é necessária, numa lógica de eficiência do sistema, mas garante que “Óbidos não abdica da política de proximidade que tem vindo a ser seguida ao longos dos últimos anos por este executivo”.
Na opinião de Ricardo Ribeiro, para além de se acautelar os cuidados de saúde para toda a população residente, há que salvaguardar também o sector do Turismo. O vereador obidense lembrou o desenvolvimento que tem havido nesse sector nos últimos anos e destaca que em Óbidos regista-se “um tipo de turismo que não é sazonal e que, do ponto de vista económico, é extremamente importante para a balança comercial da região e do país”.
Ricardo Ribeiro, manifestou ao Secretário de Estado, Fernando Leal da Costa, a preocupação de manutenção de um conjunto de valências na cidade termal, nomeadamente os serviços de maternidade, urgências, pediatria, cirurgia geral, obstetrícia e ginecologia.
No que respeita ao hospital caldense, o vereador lembrou o estudo que dava conta que este estava subdimensionado para a população que serve, questionando se, com esta reorganização, esta unidade de saúde estará à altura dos interesses das populações.
Também a união dos Agrupamentos dos Centros de Saúde Oeste Norte e Sul é motivo de apreensão por parte do autarca, tendo em conta o elevado número de pessoas sem médico de família. “Se juntarmos a isto o possível encerramento de algumas extensões de saúde, perdemos a tal política de proximidade para com as nossas populações”, disse Ricardo Ribeiro, que aguarda afora uma resposta por parte do governo a estas questões.

F.F.