A Semana do Zé Povinho

0
293

Zé Povinho não conseguiu ir ao Campo da Mata no final de tarde do passado sábado, mas ficou muito satisfeito quando ficou a saber que o Caldas ganhou (1-0) ao Alverca e, sobretudo, porque mais de 2.500 pessoas assistiram ao encontro, quebrando, assim, o recorde de assistências da Liga 3 esta temporada. A afluência de tanto público ao estádio, sem que se trate de uma final ou de uma eliminatória da Taça de Portugal, é mais um exemplo da força e da importância que o clube tem para a cidade e a região. E tem vários significados: desde logo, é o resultado da campanha desenvolvida pelo clube junto de empresas do concelho, mas serve, também, para provar que os clubes, quando têm um rumo e uma política desportiva bem definida, podem contar com os adeptos. Levar 2.523 adeptos a um jogo de futebol não está ao alcance de muitos clubes. Nomeadamente alguns que jogam na Liga NOS…

Zé Povinho odeia guerras e muito dificilmente descortina guerras justas, quando existem formas diplomáticas para negociar conflitos entre nações. Sobre o conflito Ucrânia/Rússia esperava que o bom senso prevalecesse entre as partes, apesar das contradições e dos interesses cruzados em causa. Agora ficou impressionado com os argumentos do Presidente Putin que inclusivamente põe em causa a existência “legal” da Ucrânia como país, invocando razões historicamente ultrapassadas. Se esse bom senso necessário não regressar, com guerra real ou não, vão ficar as sanções que trarão novos custos para os povos que ainda não viram ultrapassada a crise da covid. Não esteve bem Putin, que todos acreditavam que tinha algum sentido das realidades.