A semana do Zé Povinho

0
485
Gazeta das Caldas

11050272_10153113830098770_7054505229434922017_nO Zé Povinho tem um carinho especial pelas iniciativas jovens e não pode ficar indiferente ao trabalho feito pelo grupo de Jovens Voluntários das Gaeiras (JVG) que, com o que auferem nas suas actividades, compram material ortopédico para ajudar os mais carenciados.
Sabe também que este é um trabalho solidário imprescindível nos tempos que correm, para que as famílias que não têm recursos para manter os seus idosos e doentes institucionalizados possam fazê-lo em casa. Também sabe que os recursos existentes nas instituições não chegam para todos.
Estes jovens, a sua larga maioria estudantes (alguns longe a frequentar o ensino superior), dão assim um exemplo de ajuda ao próximo, ao prescindirem de parte dos seus tempos livres e do convívio com os amigos para se dedicarem às causas sociais.
O exemplo já vem detrás e o Zé Povinho não esquece como gostou de ver, há quatro anos, as ruas das Gaeiras ornamentadas com o mega estendal de roupa, recolhida por eles, e depois entregue a várias instituições.
Continuem pois, unidos e a trabalhar na ajuda aos mais necessitados, mas sempre com a irreverência e criatividade que os caracteriza são os desejos do Zé Povinho, que cumprimenta o seu presidente, Ricardo Duque, em nome de todos.

paulo_nuncioZé Povinho pensava que todos os contribuintes que pagam a horas os seus impostos estavam na tão negada lista VIP, uma vez que são estes que merecem aquela distinção.
Afinal a lista que não existia, mas que foi utilizada, como argumento, numa reunião de formação dos novos cobradores de impostos, teve uma vida virtual.
Existiu e não existiu em simultâneo, sendo para os seus putativos autores, apenas uma experiência a realizar para efeitos de estudo, só que implicou algumas dezenas de processos disciplinares a vários cobradores de impostos mais velhos e curiosos.
O Dr. Paulo Núncio, sub-chefe geral dos cobradores de Impostos e também secretário de Estado, afinal parece que não sabia (será assim?), demonstrando para todos os portugueses que naquela casa se fazem coisas tão importantes e com tantas consequências, à sua revelia.
Mesmo assim as reacções do lado da maioria em defesa deste membro do governo não pareceram muito ruidosas, apenas lhe valendo o primeiro ministro, Dr. Passos Coelho, que enfrentou a horda, certamente porque também não é (foi, em jovem) o cidadão exemplar, que paga atempadamente as suas obrigações fiscais e da segurança social.
A Ministra das Finanças, a chefe geral dos cobradores, como muitos elementos do CDS, foram parcos na defesa do dr. Paulo Núncio, no caso dos democratas cristãos, por se lembrarem de uma intervenção sua numa reunião partidária, contra os contribuintes que se queixavam do excesso de carga fiscal.
Para a grande maioria dos portugueses esta polémica passou ao lado, até porque não são VIP´s e nunca ninguém cobiçará saber as suas contas fiscais, até porque são para chorar. Por isso gozaram a valer com a discussão pública de tão candente problema de uma minoria nacional que tem contas a esconder. Mal ficou o Dr. Paulo Núncio que se zangou com os seus e deixou cair aqueles que o serviam.