Boas práticas de comunicação juntam autarcas e comunicadores na OesteCIM

0
540

notícias das CaldasPartilhar as boas experiências que se fazem no país foi o objectivo que norteou conferência “Modelos de Comunicação Institucional nas Comunidades Intermunicipais”, organizada pela Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCIM).
O evento, que decorreu no passado mês de Maio, contou com a presença de cerca de 80 participantes, a maioria ligados a autarquias da região. Nessa altura, foi logo lançado o desafio à OesteCIM para organizar uma segunda conferência, sobre a regionalização e a redução dos municípios e Juntas de Freguesia.

O que é uma informação nova e interessante? Esta a questão que, muitas  vezes, não é concordante entre instituições e jornalistas, e que os oradores se propuseram a responder.
A visão da autarquia foi dada por António Paiva (ex-presidente da Câmara de Tomar), que começou por salientar que o modelo de financiamento que possuem não está relacionado com o trabalho que exercem, mas com a área e população do município, assim como com a riqueza criada.
Também o quadro de pessoal das autarquias está desajustado às necessidades actuais. “Temos uma grande percentagem de pessoas sem o 9º e o 12º ano”, disse.
Existe também uma contradição entre o urbano e o rural. Dando o exemplo do seu município, Tomar, realçou que uma pessoa que vive numa freguesia rural não pensa de forma igual à que vive na cidade e que, ao fazer o boletim municipal, têm que ter isso em conta.
António Paiva chamou ainda a atenção para o facto de haver uma “enorme desresponsabilização” dos organismos desconcentrados da administração central que, muitas vezes, se aproveitam do município para afectar determinadas verbas. Entre os exemplos, falou da Comissão de Acompanhamento de Crianças e Jovens e da Comissão Local de Acção Social.
Ao nível da comunicação com a população, o autarca diz que começaram com as acções consensuais, como a agenda cultural, e agora é preciso avançar para as áreas mais difíceis, como é o caso dos resíduos sólidos e as águas.
José Arantes, assessor do conselho de administração da RTP, alertou para a complexidade da comunicação, destacando que uma notícia pode ser dada de várias formas. “Neste mundo caótico o desafio é saber como produzir uma boa mensagem e como a difundir de forma eficaz”, disse.
Referindo-se aos públicos, José Arantes salientou que estes não são homogéneos pelo que é importante que a mensagem política tenha isso em conta.
Segundo José Arantes as Câmaras serão cada vez mais irrelevantes ao nível da comunicação, apontando como única solução o fortalecimento político das comunidades intermunicipais.
“Sob os presidentes de Câmara surge o compromisso de se entender e conseguir gerar uma mensagem unificada e eficaz”, referiu.
O orador alertou para o facto de ser um erro um político considerar o jornalista como um adversário. “O jornalista não vai a eleições. O político acaba a vida política e o jornalista continua a escrever”, explicou.
Também presente, o vereador caldense Hugo Oliveira destacou a pertinência do tema  e também pelo facto de conseguir juntar os municípios da comunidade e outras entidades da região.
O autarca salientou que existem várias formas de comunicar, mas reconheceu que nem sempre o conseguem fazer da melhor forma. “Por vezes não há a preocupação de passar a mensagem da melhor forma e ela sai distorcida”, disse Hugo Oliveira, falando da importância de passar a mensagem correcta nos meios de comunicação social.
A conferência contou ainda com as participações de José Ribau Esteves (presidente do conselho executivo da CIM de Região de Aveiro-Baixo Vouga), Macário Correia (presidente do conselho executivo da CIM do Algarve), Miguel Pereira Lopes (professor universitário) e  Julian Mora Aliseda (professor de Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional) e Paulo Simões (dirigente do Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento).
Todo o evento foi transmitido em directo, on-line. A organização tentou também que esta fosse uma conferência amiga do ambiente, pelo que toda a documentação foi fornecida em formato digital.