Cada vez há mais “viúvas” carpideiras no Enterro do Entrudo

0
1099

Dez anos depois de se retomar a tradição do enterro do Entrudo no Monte Olivett, a iniciativa está completamente consolidada e tem vindo a atrair cada vez mais viúvas carpideiras, a chorar o fim do Carnaval. Este ano os caloiros da ESAD passaram por uma praxe inédita e juntaram-se à festa já no largo onde decorre a cremação.
Ao longo do percurso a comitiva é liderada pelo “padre” e pelos “coveiros”, que antecedem a carreta que transporta o morto – como sempre, com “um das Caldas” entre as pernas – que vai sendo acarinhado pelas viúvas ao longo do percurso.
A multidão de viúvas – de várias idades e de ambos os géneros, vestida de preto (algumas com mais rigor, outras com menos), a maioria com velas, lamenta-se: “Ai que ele era tão bom…” e “o que vai ser de mim?”. Muitas trazem telemóveis para fotografar e filmar, tornando este funeral um evento muito mediático. O som dos bombos atrai várias pessoas à janela e muitos há que, morando no percurso que a procissão todo os anos realiza, já têm hora marcada para ver passar a multidão e para aproveitarem, também eles, para fotografar.
Em cada paragem é tempo para abastecer as energias. Alguns aproveitam para beber mais um gole e continuam as lamentações. Algumas viúvas, mais espalhafatosas, lutam pela herança do falecido e discutem quem era afinal a mulher e quem era a amante.
No final do percurso pela cidade, retira-se a cabeça e o falo do boneco (são guardados de ano para ano) e o resto, em vez de enterrado, é cremado, com a multidão em volta a aproveitar para uma última despedida do Carnaval durante um ano.
O enterro do Entrudo nas Caldas foi uma iniciativa da ACDR Santo Onofre Monte Olivett, que queria então recuperar uma tradição perdida. João Pina, presidente da assembleia da colectividade, salientou o aumento de pessoas a participar nesta iniciativa.
Em discursos pautados pelo bom-humor, Tinta Ferreira, presidente da Câmara, disse que “um grande Carnaval tem de ter um enterro a condizer, como está a acontecer”, enquanto que Jorge Varela, presidente da União de Freguesias de Santo Onofre e Monte Olivett, deu os parabéns à colectividade, salientando “o espírito associativo forte que existe nas Caldas”.