Caldas sem cirurgia do cancro da mama a partir de segunda-feira

0
264

“A decisão da Direção Executiva do SNS é contestada pela autarquia e comissão cívica, que garantem tudo fazer para a reverter. As utentes serão encaminhadas para as ULS de Leiria e Lezíria”

A partir da próxima segunda-feira, 1 de abril, a unidade de cirurgia ao cancro da mama do Hospital das Caldas da Rainha estará encerrada por decisão da direção executiva do SNS. A mesma é contestada pelo executivo caldense, que lembra que há 40 anos que aquela unidade trata os doentes com patologia oncológica mamária e que foi requalificada com equipamentos e técnicos clínicos, incluindo o acesso a cirurgião plástico. Mas agora o critério assente no número de ocorrências por ano leva ao seu encerramento, devendo as utentes ser encaminhadas para as ULS da Região de Leiria e da Lezíria. Vítor Marques salienta que a unidade das Caldas da Rainha tem uma capacidade instalada que permite realizar cerca de 150 cirurgias anualmente e já pediu uma audiência à Direção Executiva do SNS.
Também a Comissão Cívica de Utentes da ULS Oeste diz, em comunicado, “não compreende a decisão”, que se “preocupa mais com a quantidade do que com a qualidade”. Também não compreende a dualidade de critérios, tendo em conta “existirem outros hospitais com os mesmos utentes do hospital das Caldas, designadamente ULS do Médio Tejo, e deixaram que o mesmo continuasse a exercer”.
A comissão considera que, “mais uma vez a saúde no Oeste está a ser altamente prejudicada e menosprezada com esta decisão precipitada” e que “tudo irá fazer para que a situação seja revista e revertida”.
Questionada pela Gazeta das Caldas sobre se irá deixar de fazer cirurgias ao cancro da mama a partir 1 de abril, que informações/seguimento está a ser dado às utentes e se a equipa que existe atualmente e que está vocacionada para esse serviço irá manter-se a trabalhar no Hospital das Caldas, a administração da ULS Oeste esclarece que “neste momento, as questões estão em esclarecimento, pelo que nada temos a informar”. ■