Campeão nacional de Serralharia Civil é caldense

0
493
Os jovens participantes no concurso, juntamente com o preparador e o diretor do núcleo das Caldas e de Peniche

O jovem estudante no Cenfim das Caldas da Rainha venceu o campeonato das profissões, em Portimão, numa das profissões a concurso, e pode agora ir aos campeonatos da Europa e do Mundo

Bernardo Antunes, de 18 anos, venceu o campeonato das profissões em Serralharia Civil. O jovem estudante do núcleo das Caldas do Cenfim participou no concurso, que decorreu em Portimão, entre 6 e 12 de março, juntamente com mais três colegas do curso Técnico de Manutenção Industrial, mas que concorreram em diferentes áreas e onde um deles obteve a medalha de Excelência. No total, participaram no concurso perto de 400 jovens e 52 profissões.
Natural das Trabalhias, cedo Bernardo Antunes soube o que queria fazer. Ingressou no Cenfim em 2020 para fazer a formação que lhe permitiu obter o 9º ano e atualmente está no primeiro ano de um curso de nível 4. “Sempre gostei desta área, com a qual já tinha contacto porque tenho familiares que trabalham em serralharia”, conta o jovem que não se imagina a fazer outra coisa. O bom resultado alcançado neste concurso nacional é também um incentivo para continuar. Reconhece que o concurso não foi fácil, foi bastante intensivo, mas também “uma experiência muito boa de se viver, aprendi bastante”. A prova era surpresa, ou seja, apenas pouco tempo antes é que os participantes sabiam o que iriam fazer. Bernardo Antunes criou um comboio, que não conseguiu finalizar, precisou, mas cuja perfeição na sua montagem e resposta aos critérios exigidos valeu-lhe a vitória.
Outro dos premiados neste campeonato foi José Santos, de 17 anos, que concorreu na área de mecânica industrial e arrecadou a medalha de Excelência. Está no Cenfim desde 2020 e atualmente está a terminar o curso de nível 4 (no terceiro ano). Em Portimão, José Santos fez a instalação de um variador de frequência, alinhamento de veios, a programação do variador, uma instalação elétrica de 24 volts e ainda uma parte de serralharia. Obteve uma medalha de Excelência porque a profissão a que concorreu – mecânica industrial – foi de demonstração e não está no conjunto de profissões que integram os campeonatos europeu e mundial.
No concurso participaram também Bruno Santos, de 18 anos, na área de desenho industrial CAD e Bruno Freire, de 17 anos, em soldadura. “Os treinos foram intensivos”, recorda Bruno Santos, que teve de se preparar bem para a prova da qual apenas tinha conhecimento 15 minutos antes de começar. Para Bruno Freire, o concurso é para repetir no próximo ano, pois adquiriu “muita experiência”, fez novos colegas e até teve oportunidade de falar com o campeão mundial de soldadura.
A preparação foi dada pelo formador Pedro Santos e durou cerca de quatro meses. Os jovens treinaram, nas oficinas do centro de formação (situado em S. Cristóvão) nos períodos em que não tinham aulas e o formador, ciente do esforço feito, já “estava à espera destes resultados, tinha confiança neles”, disse à Gazeta das Caldas.
Pedro Santos foi também preparador do formando do núcleo de Peniche que alcançou a medalha de prata em Serralharia Civil.
Os quatro jovens, que concorreram em diferentes profissões, têm a particularidade de frequentarem o nível IV no mesmo centro (embora em diferentes anos) do mesmo curso, técnico de Manutenção Industrial. De acordo com Vítor Lapa, diretor dos núcleos das Caldas da Rainha e de Peniche do Cenfim, este curso tem a particularidade de ter uma base comum, muito na área da metalurgia e metalomecânica, que permite aos formandos trabalhar a parte da serralharia, soldadura e maquinação convencional. Depois, nos segundo e terceiro anos é introduzida a componente da eletricidade e da automação. “Eles têm de aproveitar o bocadinho da formação do curso e depois potenciar com o treino”, salienta, valorizando o esforço dos jovens. Também os formandos destacam que o Cenfim abre-lhes portas para o futuro, não só ao nível da formação mas para a vida profissional. “Aprendemos muito, os professores são como amigos, o ambiente de formação é bom”, resumem.

Possibilidade ao Mundial
A nível nacional o Cenfim é composto por 13 núcleos e promove um concurso interno para depois eleger aqueles que, depois, irão representar o centro de formação da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica nos campeonatos nacionais. Os jovens do núcleo caldense já tinham obtido bons resultados no Cenfim Skills, o que lhes permitiu ir a Portimão, participar no Skills Portugal. No caso de Bernardo Antunes, que ganhou a medalha de ouro, poderá ir ao Campeonato Europeu (Polónia) ou ao Mundial (França), se a profissão de Serralharia Civil foi uma das selecionadas pelo Emprego e Formação Profissional (IEFP) para participar nesses concursos. “O Bernardo é o primeiro campeão nacional de Serralharia Civil, do Cenfim, pelo que estamos na expetativa de saber se o IEFP vai eleger também esta profissão para poder ter um representante português”, salienta Vítor Lapa.

Cenfim alcançou 30 medalhas
Ao todo, o Cenfim participou com 12 núcleos em 10 profissões do setor da metalurgia metalomecânica e obteve medalhas em todas, num total de 30 medalhas, entre elas 10 de ouro, oito de prata, seis de bronze e seis de excelência.
O diretor dos núcleos das Caldas e de Peniche destaca que estes resultados são uma demonstração da qualidade do ensino e das capacidades que adquirem no Cenfim. A taxa de empregabilidade para estes formandos é muito elevada, com mais pedidos das empresas do que a capacidade de formação. “Estima-se que haja um défice de 30 mil trabalhadores para este sector”, explica o responsável, dando conta que o Cenfim forma, por ano, 1500 a 1700 jovens.
O núcleo caldense têm cerca de 200 formandos, metade a frequentar o horário laboral e a outra metade o horário pós laboral.■