Conciliação trabalho-família em foco em sessão para médicos

0
236
A sessão decorreu entre as obras de arte do Museu Leopoldo Almeida

Vânia Carvalho foi convidada para palestra pela delegação do Oeste da Ordem dos Médicos

A conciliação entre a vida familiar e a vida profissional esteve em foco numa palestra com Vânia Carvalho, da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, que decorreu a 29 de fevereiro no Museu Leopoldo de Almeida. Promovida pela delegação do Oeste da Ordem dos Médicos, a sessão destinava-se sobretudo a estes profissionais. Na plateia estiveram cerca de 30 pessoas.
Durante a sessão abordou-se o conflito trabalho-família e procurou-se “enquadrá-lo, para que haja um autodiagnóstico destes profissionais e depois lançar pistas para que consigam encontrar estratégias de controlo deste conflito, com mecanismos de recuperação”, explicou Vânia Carvalho, frisando que não há poções mágicas, mas destacando a importância dos mecanismos de transição. “Por exemplo, quando acabo a jornada de trabalho, faço um balanço mental do meu dia e estipulo o dia a seguir, ajuda-me a fechar”, exemplificou. “Existe a oportunidade da transição no caminho para casa, ao ouvir um podcast ou uma música, ler um livro de uma área que não esteja relacionada com o trabalho”, complementou. Já “na chegada a casa, o simples facto de mudar de roupa, para uma mais confortável” pode ser um mecanismo de transição. “Depois existem mecanismos mais específicos, desde técnicas de relaxamento a mindfullness, ou experiências de maestria, que exigem um trabalho de competências completamente diferente das que utilizo em contexto de trabalho, como cozinhar, pintar, aprender uma nova língua ou um instrumento musical, são mecanismos que ajudam à recuperação”.
A especialista, que é natural de Coimbra e faz investigação nesta área há mais de dez anos, diz que as condições atuais impostas aos médicos na sua atividade “tornam esta profissão mais desafiante, podendo levar à desistência e a casos de saúde mental graves, como burnout, que é um flagelo nesta profissão”. ■