Desperdício do Parque e Mata reaproveitado como lenha e substrato

0
1134
Os parceiros apresentaram os produtos, devidamente embalados, que começam agora a ser comercializados

Na Natureza nada se perde, tudo se transforma. A União de Freguesias de Nossa Sra. do Pópulo, Coto e S. Gregório e o Centro de Educação Especial Rainha D. Leonor (CEERDL) levaram à letra esta máxima de Lavoisier e começaram a aproveitar as folhas e troncos de árvores caídos e provenientes das podas para transformar em substrato orgânico e lenha.
A estas instituições juntou-se agora a Coagrical – Cooperativa Agrícola do Concelho das Caldas da Rainha, que garante a comercialização do produto embalado.
O material resultante da manutenção do parque e mata já é aproveitado, e reutilizado, há cerca de um ano, em jardins e espaços públicos desta união de freguesias. Desde o início deste ano que estes produtos são também ensacados, pelos utentes do CEERDL, resultado de um prémio que ganharam e permitiu-lhes adquirir o equipamento. Tratou-se do Prémio Fidelidade Comunidade, no valor de 5000 euros, que possibilitou a compra de um rachador de lenha, balança, máquina de selagem e sacos para embalamento.
As cerca de 2000 embalagens de substrato e 1000 embalagens de lenha começam agora a ser comercializadas pela Coagrical, nas suas instalações e junto dos seus clientes.
A apresentação destas embalagens foi feita no passado dia 18 de Agosto, integrada na Feira dos Frutos. Os lucros obtidos pela junta de freguesia com a venda da lenha e do substrato orgânico serão reinvestidos na aquisição de material e na manutenção destes espaços.
A União de Freguesia ficou com a gestão e manutenção do Parque D. Carlos I e da Mata Rainha D. Leonor por delegação de competências da autarquia, recebendo anualmente uma verba de 200 mil euros. Contudo, o seu presidente, Vítor Marques, revela que os custos inerentes a esta gestão são avultados, pelo que é necessário arranjar outras formas de financiamento.
A junta recebeu recentemente uma oferta de 2000 árvores, que serão posteriormente utilizadas na reflorestação dos espaços verdes e criação de novos.

Arte a partir de madeira

A junta de freguesia concorreu ao fundo ambiental para colocar em prática um projecto artístico, no valor de 25 mil euros, feito a partir da madeira colhida no parque e mata. Conseguiram um apoio de 20 mil euros, que será utilizado na aquisição de material de carpintaria e máquinas que serão instaladas nas suas instalações. Irão depois desafiar artistas e alunos da ESAD para utilizar a madeira e criar bancos, sinalética e esculturas que serão colocados na Mata Rainha D. Leonor. Numa segunda fase o destino das peças será o Parque.
No próximo ano esta autarquia de base pretende substituir o equipamento e piso do parque infantil existente no Parque, estando actualmente em fase de aprovação o estudo prévio na Direcção Geral do Património Cultural. O investimento será na ordem dos 90 mil euros.