História da ordem de Cister nas fachadas de quatro concelhos

0
436

Espetáculo recria cenários históricos, transportando o público para uma experiência multimédia única

 

A fachada lateral da igreja de Santa Catarina será cenário, na noite da próxima quarta-feira, 25 de agosto, de um espetáculo de luz e movimento que reúne imagens baseadas na história dos monges de Cister e na sua importância para a região.
O projeto, intitulado “A Ordem – Quatro Concelhos Uma Identidade”, envolve os concelhos de Alcobaça, Caldas da Rainha, Óbidos e Porto de Mós.
A primeira projeção estava prevista para ontem (já depois do fecho da edição), em Aljubarrota, e seguir-se-ão apresentações no Convento de S. Miguel (Gaeiras), a 8 de setembro, e nos Paços do Concelho de Porto de Mós, a 15 de setembro.
O projeto nasceu de uma candidatura de Mário Ferreira,responsável pela Ó Produções, a produtora sediada em A-dos-Negros (Óbidos) ao programa do Ministério da Cultura “Garantir Cultura, sendo co financiado pelo Compete 2020, Portugal 2020 e FEDER. Tem como objetivo o desenvolvimento de atividades culturais de cariz audiovisual e de multimédia de forma a promover o trabalho dos artistas, refere a memória descritiva do projeto, que também valoriza o património arquitetónico e histórico da região. Pretende também dar a conhecer à população local a importância do papel dos monges agrónomos da Ordem de Cister no ordenamento do território, concretamente na Estremadura, cuja presença e ação teve um impacto tão considerável que as suas marcas chegam aos dias de hoje, nomeadamente ao nível da sábia administração de terras e do desenvolvimento agrícola, florestal e económico da região que lhes foi doada.
As apresentações são sempre limitadas a um número restrito de espetadores, que variam entre as 200 e as 300 pessoas em cada um dos espaços ao ar livre em que decorre o espetáculo. É obrigatória a reserva com antecedência, tendo em conta as contingências da pandemia.
A Ó Produções foi criada em 2008 e dedica-se essencialmente à co-produção e aluguer de equipamento audiovisual. De acordo com Mário Ferreira, a produtora que reúne uma equipa multidisciplinar, já trabalhou em cerca 70% dos auditórios que existem em Portugal. Na região tem feito, por exemplo, a co-produção do festival Cistermúsica, em Alcobaça, desde 2013.
Este projeto que agora está a ser apresentado foi o primeiro a ser desenvolvido na totalidade por esta equipa e, de acordo com Mário Ferreira, poderá estender-se a outras localidades.
O produtor, que também é há vários anos funcionário da Câmara de Óbidos, está já a desenvolver novas ideias. “A minha mulher é bailarina e sempre me dediquei à área da dança, ópera e teatro”, refere, acrescentando que está a trabalhar num projeto híbrido, de mapping, teatro e dança. ■

Parte da equipa da Ó Produções, sediada em A-dos-Negros (Óbidos)