Hospital das Caldas esteve sem urgência de Ginecologia e Obstetrícia

0
746

125O serviço de urgência de Ginecologia e Obstetrícia do hospital das Caldas da Rainha esteve encerrado durante três dias, de 27 a 29 de Agosto, “por falta de recursos humanos”, segundo a explicação oficial do Centro Hospital Oeste Norte (CHON). Um dos motivos que levaram a esta situação foi o facto de uma médica ter sido agredida neste serviço na semana passada e ter ficado de baixa.
Durante estes dias as mulheres que necessitaram de recorrer a esta urgência, inclusive as parturientes, tiveram que ser transferidas para o hospital de referência, o Centro Hospitalar Lisboa Norte.
O anúncio do encerramento foi feito a 28 de Agosto, através de um comunicado à imprensa, e nessa altura era apontada a reabertura da urgência a 2 de Setembro.
No entanto, no dia seguinte, o CHO enviou um outro comunicado para informar que “na sequência de várias diligências realizadas nos últimos dias, e graças à colaboração e acordo dos profissionais do serviço de Ginecologia e Obstetrícia, foi possível normalizar o funcionamento da Urgência desse serviço, desde as 15 horas de hoje, garantindo desta forma a segurança e qualidade na prestação de cuidados às utentes deste Centro Hospitalar”.
Na terça-feira, dia 2, o presidente do CHO, Carlos Sá, escusou-se a fazer mais comentários à Gazeta das Caldas sobre este assunto porque, disse, “já está resolvido”.
Questionado pelo nosso jornal, o presidente da Câmara, Tinta Ferreira, referiu que logo que soube da situação manifestou a sua preocupação à administração do CHO. “Felizmente as coisas resolveram-se passado pouco tempo”, disse.

Pedro Antunes
pantunes@gazetadascaldas.pt