Jovens finalistas da ETEO estagiaram durante três semanas na Sicília

0
462
Os jovens e professores num jantar convívio num restaurante de Palermo

Dezasseis alunos finalistas da Escola Técnica e Empresarial do Oeste (ETEO) viveram, durante quatro semanas (entre 8 de Março e 5 de Abril), uma experiência nova e enriquecedora a nível pessoal e profissional. Integrados no projecto Trilhos Europeus, os jovens (entre os 17 e os 21 anos) estiveram na cidade de Palermo (na Sicília, Itália) onde contactaram com uma língua e cultura diferentes e aprenderam novas práticas profissionais.
Carolina Silva, de 20 anos, é estudante do curso de Técnicas de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade, e partilhou esta experiência com mais quatro colegas do curso, cinco do curso de Animação Social e Cultural e seis de Termalismo. Residente na Vermelha (Cadaval) conta que foi a primeira vez que viajou para tão longe, mas que gostou, ainda que no inicio a integração não tenha sido fácil.
“No início foi muito complicado”, recorda a jovem, destacando que viram uma cidade grande, muito movimentada e escura, pois os prédios altos não deixam perpassar a luz do sol. Depois, com o curso de línguas ficaram com as noções básicas de italiano e, com o passar do tempo, foram-se ambientando à cidade e à sua forma de vida.
Carolina Silva estagiou, juntamente com três colegas, na Biblioteca delle Balete, trabalhando com crianças problemáticas que têm insucesso escolar e querem abandonar a escola. Colaboraram no apoio ao estudo e na organização de um evento que a biblioteca estava a preparar. E apesar de terem encontrado alguma resistência às suas ideias por parte das pessoas que trabalhavam na biblioteca e que já tinham alguma idade, os alunos da ETEO deixaram marca através de um cartaz promocional onde puseram em prática os seus conhecimentos e que resultou num trabalho bastante diferente do que era habitual e que pode ser replicado.
“É uma experiencia a repetir”, resume a jovem que, nesta viagem andou pela primeira vez de avião. A possibilidade de trabalhar no estrangeiro também lhe agrada, embora reconheça que esta experiência foi mais fácil porque contou com apoio do grupo que ia da escola. Embora não estivessem a trabalhar no mesmo sítio, os jovens encontravam-se ao final da tarde e conversavam sobre o que lhes tinha acontecido e ajudavam-se mutuamente.

Os alunos de termalismo da escola caldense estagiaram no Grand Hotel delle Terme na estância de Termini

A experiência foi também marcante para Mariana Santos, de 17 anos, futura animadora social. Durante o tempo que esteve em Palermo estagiou num bairro social. Apenas trabalhavam à tarde, entre as 15h00 e as 19h00, altura em que faziam ateliers com as crianças.
Contactavam com os “nem que fosse com gestos e metade em italiano e metade em português”, conta a jovem, natural do Cadaval, acrescentando que tinham uma ludoteca, onde desenvolviam os ateliers.
“As crianças gostaram muito de nós”, recorda Mariana Santos, adiantando que escreveram bilhetes para trazerem para Portugal e diziam que queriam regressar com eles. A jovem finalista considera que apesar do pouco tempo em que estiveram juntos, ganharam uma grande afinidade com as pessoas do bairro onde estagiaram.
Mariana Santos gostava de dar continuidade a esta experiência, mas reconhece que “sofre muito de saudades” e que lhe é difícil estar longe da família. A terminar o 12º ano, pretende agora dar continuidade aos estudos, a nível superior, ingressando num curso de Educação Social ou Animação Cultural e Educação Comunitária.
Os seis alunos do curso de Termalismo estagiaram no Grande Hotel delle Terme, situado em Termini Imerese, onde tiveram oportunidade de aprender técnicas novas e aprofundar os seus conhecimentos na vertente de lazer e bem-estar.

“Uma recompensa para os alunos mais aplicados”

O projecto Trilhos Europeus insere-se no programa Aprendizagem ao Longo da Vida, subprograma Leonardo Da Vinci, mobilidade de jovens em formação profissional inicial. A ETEO está a participar durante dois anos (entre 2011 e 2013) com duas mobilidades – a primeira que decorreu agora e integrou os alunos dos cursos de Termalismo, Animação Sociocultural e Comunicação, Marketing e Relações Públicas, e uma segunda a decorrer no próximo ano, para alunos dos cursos de Turismo e Multimédia.
Com uma duração de quatro semanas, estas visitas são compostas por uma primeira semana de visitas culturais e técnicas e a realização de um curso de línguas, e três semanas de estágio em empresas ligadas às diferentes áreas profissionais.
A candidatura teve um valor superior a 76,8 mil euros e prevê a participação de 29 alunos e dois professores. A escola financia a deslocação de mais dois professores para acompanhar os jovens, até porque alguns deles são menores. “A escola investe bastante neste projecto, o número de professores aprovado pelo Leonardo é menor, mas a escola decide financiar a participação de mais dois docentes”, explicou a coordenadora do projecto, Helena Rodrigues.
Os alunos são escolhidos pelas notas, pela assiduidade e pelo bom comportamento. “É uma recompensa para os alunos mais aplicados”, resume a responsável, acrescentando que estes projectos permitem uma grande aprendizagem cultural, sobretudo quando se tratam de alunos que nunca tiveram oportunidade de sair da região.
A professora de Inglês, Sandra Valentim, participou pela primeira vez no projecto. “É muito desgastante a nível de preparação da viagem, mas depois vale a pena, principalmente ao ouvir o que os alunos nos têm a dizer e perceber que o que estamos a fazer por eles vale a pena”, conclui.
Os jovens irão fazer uma apresentação pública da experiência que tiveram, no próximo dia 24 de Maio, pelas 16h00,no auditório da ETEO.

Fátima Ferreira

fferreira@gazetadascaldas.pt