Lista à Ordem dos Arquitectos realizou ação no Bombarral

0
401
Liliana Nóbrega e Pedro Novo, membros da lista candidata à secção regional

Evolução na carreira é uma das prioridades da lista “Agora > Futuro”

Pedro Novo, candidato à presidência da secção regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitectos, esteve no passado dia 8 no Bombarral para apresentar as ideias da lista “Agora > Futuro” para as eleições de 21 de setembro.
O candidato começou o encontro com os arquitectos locais realçando que nunca a Ordem realizou um encontro no Bombarral, “onde a realidade é diferente da que se vive nas grandes cidades”. Pedro Novo sublinhou a necessidade de a Ordem criar uma relação de proximidade com as comunidades locais, de modo a perceber oportunidades e necessidades, mas também através da realização de iniciativas descentralizadas.
Uma maior relação de proximidade com a comunidade também ao nível da comunicação e da afirmação de classe nas grandes questões da vida pública que a envolvem. “Hoje a Ordem vive por reação e não por antecipação. Em questões como o aeroporto de Lisboa, as inundações, ou o Hospital do Oeste, temos que ter voz ativa”, realçou, acrescentando que a postura da Ordem em relação ao programa Mais Habitação, em que assinou uma posição conjunta com a Ordem dos Engenheiros, não valoriza a profissão.
Para o ato eleitoral, Pedro Novo afirmou que a lista “Agora > Futuro, a única que apresenta candidatos a todos os órgãos nacionais e regionais e que é liderada por Avelino Oliveira, surge “por insatisfação com o que tem sido a atividade da Ordem”.
Entre as linhas gerais do programa, a lista defende a criação de instrumentos de referência dos custos das tarefas e da remuneração dos arquitetos, à semelhança dos modelos implementados em congéneres europeias, que permitam controlar a concorrência desleal entre pares.
O candidato defendeu a necessidade de valorização da carreira de arquitecto, quer através da criação do contrato coletivo de trabalho, como da regulação da carreira, quer no setor público, quer no privado. ■