Literatura e música inspiram sobremesas

0
436
Diogo Alexandre, autor da sobremesa “Tormenta Sensorial, inspirada nos Lusíadas, com o prémio

Pegar num livro ou numa música e transpô-lo para uma sobremesa é uma arte e os jovens pasteleiros provam-no

A sobremesa “Tormenta Sensorial”, inspirada nos Lusíadas, de Luís de Camões, criada por Diogo Alexandre, venceu a segunda edição do Concurso Nacional de Pastelaria Literária, “Uma Sobremesa Entre Linhas”, que decorreu na EHTO, nos dias 24 e 25 de janeiro. A par da literatura, este ano o concurso contou com a categoria de música, cuja vencedora, Letícia Tavares, criou uma “Nuvem de Lembranças”, inspirada na música A Nuvem, de Carolina Deslandes.
A iniciativa, organizada pela turma finalista de Gestão e Produção de Pastelaria, contou com a participação de 11 alunos, divididos nas duas categorias e selecionados entre um total de 30 jovens de várias escolas do país. Durante dois dias foram criadas sobremesas inspiradas em diversas obras literárias e composições musicais, que foram depois avaliadas por um juri composto pela chef executiva no Hotel Tivoli, Mónica Azevedo, o chef Miguel Ribeiro e o administrador da Óbidos Criativa, Ricardo Duque.
“O objetivo é aliar duas artes, a gastronomia e a literatura”, salientou Ivânia Oliveira, aluna do curso de Gestão e Produção de Pastelaria, acrescentando que resultam num “casamento feliz”.
De acordo com Bruno Marques, formador de Pastelaria na EHTO e coordenador do evento, o concurso nasceu do módulo de Desenvolvimento de Produtos Gastronómicos e que serve para colocar os alunos a experimentar produtos. “Sempre achei que os alunos, ao final de um ano e meio, já trabalham muito bem a parte técnica”, mas deviam “puxar uma pouco mais” pela parte da gestão. “Colocar-lhes alguma pressão, em que têm de gerir equipas, gerirem-se a eles próprios e aos colegas, gerir as pessoas que vêm de fora, acaba por ser um grande desafio”, conta o formador, destacando que os alunos no final do curso estarão mais capacitados para lidar com as equipas no mercado de trabalho e gerir o stress e a pressão.
Bruno Marques destaca ainda que o evento nacional também é bom para perceber o “excelente trabalho” que as escolas estão a fazer ao nível da pastelaria.
O concurso foi patrocinado pela Europastry, que também marcou presença com salgados e doces, confeccionados pela empresa. “Este ano estivemos a assistir, também com o objetivo de tentar encontrar jovens que possam vir a integrar a empresa”, explicou Hugo Sutil, da Europastry. ■