Luminárias do Carvalhal homenagearam São José

0
423
Bom tempo permitiu realizar com normalidade a procissão na aldeia do Carvalhal

Muitos fiéis na procissão secular da aldeia bombarralense iluminada com cascas de caracóis pelos habitantes

A tradição voltou a cumprir-se na aldeia do Carvalhal e, em Dia de São José, também Dia do Pai, a procissão noturna percorreu as ruas da povoação que, uma vez mais, foram decoradas pelos habitantes com candeias feitas com cascas de caracóis. Segundo a tradição oral, que passou de geração em geração, as Luminárias do Carvalhal terão começado no final do século XIX por vontade do pároco de então, ainda território do concelho de Óbidos – era conhecido por Carvalhal d’Óbidos – pois só em 1914 passou a integrar o recém-criado concelho do Bombarral. Crê-se que era uma forma dos habitantes pedirem a S. José que as oliveiras dessem muitas azeitonas para haver azeite até à colheita seguinte. Depois de um interregno de vários anos, a tradição seria retomada em 1969 por vontade do padre José Moura e tem durado até aos dias de hoje. Numa iniciativa organizada pela Irmandade do Santíssimo Sacramento do Carvalhal e apoiada pela Junta de Freguesia do Carvalhal e Sociedade Filarmónica Carvalhense, os habitantes da aldeia são convidados a decorarem as fachadas das suas casas com cascas de caracóis cheias de azeite e com um pequeno pavio, iluminando o trajeto da procissão que começa e acaba na Igreja do Santíssimo Sacramento, Presidida pelo padre guatemalteco Eduardo López, o programa começou com uma missa e depois os músicos da banda carvalhense acompanham a todo o trajeto da procissão a tocar. A oração final fez-se no interior do templo edificado entre os séculos XVI e XVII, classificado de Imóvel de Interesse Público e cuja construção se deve à rainha Dª Leonor de Lencastre, fundadora do Hospital Termal das Caldas da Rainha.Foram alguns milhares de cascas de caracóis colocadas pelos carvalhenses nas ombreiras e muros das suas portas ou ainda em pequenos altares montados na rua para esta noite. As várias associações da freguesia foram convidadas a participar, criando os seus próprios espaços ornamentados a preceito, destacando-se a recriação de uma serração com o carpinteiro S. José, Jesus Cristo e de sua mãe Maria Santíssima. A acompanhar muitas pessoas oriundas de vários concelhos da região, que fizeram questão de assistir a uma das mais emblemáticas procissões católicas que é realizada no Oeste. ■