Multidões no Carnaval pelo Oeste

0
1908
Noticias das Caldas
| D.R.

Pelo Oeste houve vários eventos de Carnaval que arrastaram multidões. Torres Vedras recebe anualmente centenas de milhares de visitantes. Este ano eram esperados 350 mil e os números não terão ficado longe disso.

Num Carnaval que já é profissional, mantiveram-se as tradições com os cabeçudos, o desfile de matrafonas e um enterro em grande.
No sábado participaram no corso 47 grupos de mascarados, com mais de 2200 foliões. Havia oito carros alegóricos: Taça Eiffel, A Geringonça, Caçando Zékemons, Que Susto, To(y)rres Stories, em busca do Choupal Perdido, O Dono dos Brinquedos, Dominó da Europa e o carro dos reis.
Além de ter sido implementado o eco-carnaval, em que se propunha, por exemplo, a troca de copos de plástico usados por senhas de bebida, houve transmissão do Carnaval mais português de Portugal ao vivo na internet.
A Nazaré também tem uma forte tradição carnavalesca, sendo costume receber visitantes às dezenas de milhares. No sábado, no desfile com cerca de 2000 figurantes, estiveram entre 80 mil a 100 mil pessoas.
Este ano as vendedoras de peixe seco foram homenageadas por alguns dos participantes, num Carnaval em que o som das marchas é uma das imagens de marca. As celebrações nazarenas também foram transmitidas on-line.
Em Alfeizerão houve desfiles com carros alegóricos e bailes.
Já Alcobaça mascarou-se de Veneza com a tradicional tenda em frente ao Mosteiro. Foi anunciado pela Momondo, um motor de buscas de viagens, como um dos cinco maiores festejos carnavalescos do país. Apesar da máscara italiana, no site da Momondo este é considerado como o “Carnaval mais brasileiro de Portugal”.
Na Benedita além do já tradicional corso nocturno (que se realiza há 15 anos), com 20 carros alegóricos e perto de mil figurantes, houve uma tenda montada na Praça Damasceno Campos. Óbidos e Bombarral viram as crianças do concelho mascararem-se e passearem pelas ruas.
Em comum a todas estas iniciativas, já se sabe, a folia, a animação, os excessos, as brincadeiras e a boa crítica social e política.
Os mais altos governantes do país e do mundo não escaparam às brincadeiras, mas este ano fica também marcado por várias alusões à conquista do Europeu de futebol.